CAPÍTULO ONZE - STRANGERS

Nenhum comentário:
Kaylee
Zayn bateu em um cara quando saiu daqui, a notícia se espalhou rápido e a Alexia e Louis foram até a delegacia soltar ele. Fiquei pensando no que poderia ter feito ele agredir alguém, mas pelo o que Harry disse, ele chegou na delegacia com as mãos totalmente suja de sangue, eu não quis saber dos detalhes, também não queria saber porque ele bateu em alguém sem motivo, ele poderia passar a noite inteira na cadeia que eu não me importaria nem se quer um minuto. Ele é adulto e se faz essas coisas é porque provavelmente é rebelde e sabe das consequências de ser assim. Triste que a mãe dele tenha que conviver com um filho tão problemático igual ele.
Eu já não estava mais molhada por causa da piscina, e já era quase dez horas da noite, a festa de aniversário da minha mãe já estava acabando e eu não desci nem para cantar parabéns, fiquei o tempo todo no meu quarto, um tempo depois Gen e Harry subiram avisando que Morgana e os demais tinham ido embora, Harry me trouxe um pedaço de bolo e para ser sincera estava sem fome. Ele se despediu de mim, pegou suas coisas e foi embora agradecendo pelo dia. Gen se ajeitou no colchão no chão, seus pais iriam embora só no próximo sábado e então ela dormiria aqui comigo.
Não é que Genevive fosse uma má companhia, eu só queria ter meu tempo para pensar sem ter que discutir com alguém sobre as minhas atitudes, sobre eu dizer coisas que eu não queria ter dito só para sempre sair por cima, afinal é como eu sempre digo, eu machuco as pessoas para que elas não me machuquem. E é por isso que eu sempre digo essas coisas horríveis, não estou preocupada com os sentimentos de Zayn, longe disso. Estou preocupada comigo sendo uma pessoa que não sou para ser superior a um babaca igual Malik.

    "Quem é esse tal de Zayn?" Vejo Gen tirando a blusa azul e jogar contra a cadeira perto do armário, ela está bem mais magra do que antes e tem algumas tatuagens pelo corpo.
    "Um garoto que não tem limites"
    "Aquela garota alta... Morg... Ela disse que vocês não se dão bem"
    "É porque ele me tira do sério, e toda vez que eu bato de frente com ele, ele parece que gosta de me provocar."
    "Talvez ele seja daqueles tipo que não liga para nada, só em irritar as pessoas, e você da ousadia então ele vai sempre aproveitar disso já que ele sabe que você liga para as provocações dele" ela tira a calça e bota uma de pijama laranja, fico um tempo em silêncio.
    "Pode ser isso" digo e jogo a cabeça no travesseiro.
    "Se você fingir que não liga para o que ele diz, talvez ele esqueça que você existe"
    "Seria ótimo" fecho os olhos, totalmente cansada.
*
Ele caminha até a mim, seus cabelos estão cobertos por uma touca grossa e preta, seu rosto está limpo, ele está usando uma blusa preta de frio e seus olhos estão vermelhos, a cada passo que ela dá minha respiração fica descompensada e eu quero correr dali, mas só consigo ver seus passos mais largos, estamos sozinhos e o espaço parece mais curto do que eu imaginava, finalmente ele para na minha frente. Quando estica sua mão em minha direção eu dou um passo para atrás ele faz uma expressão triste como se fosse chorar.
    "Não quero que tenha medo de mim" sua voz sai grossa e eu sinto uma inundação de prazer correr por minhas veias ao ouvir sua voz.
    "Eu não tenho medo de você" digo nervosa e a escuridão cobre o seu rosto.
    "Vamos ficar juntos... Vem comigo e nada vai separar a gente" ele se aproxima de mim, e encosta seus lábios finos e macios no meu, a sensação é a mesma, meu corpo todo se enche de chamas e o meu coração se acelera, meu peito sobe desce com rapidez, ele se afasta e eu permaneço com os olhos fechados. "Dessa vez vamos ficar sempre juntos" abro os olhos e me assusto.

Acordo assustada e soando, meus olhos estão molhados e as minhas mãos tremem. Olho para o lado e Gen me encara com os seus enormes olhos azuis assustadas, já está claro e meu celular desperta em cima da escrivaninha, são 5:30 da manhã. Espero minha respiração acalmar e Gen precisa refazer a pergunta dela umas três vezes até eu ter noção o suficiente para ouvir e calma o suficiente para responder.

    "Keylee, que grito foi esse?" ela diz e me olha ainda mais confusa.
    "Sonhei com Justin" digo lembrando do rosto de Zayn se transformando no de Justin quando abro os olhos.
    "Pelo jeito não foi bom" ela boceja.
    "Não foi do jeito que eu esperava" comento e levanto sentindo toda a camisa grudar nas minhas costas por conta do suor, faz muito frio pela manhã, meu corpo estava praticamente em chamas enquanto dormia. 

Todo um banho, me arrumo, como alguma coisa e vou para padaria, vou o caminho todo ouvindo música para dispersar meus pensamentos horríveis, quando chego na padaria aproveito que Harry não chegou ainda e mando mensagem pra Luke perguntando se ele quer me encontrar na hora do almoço, ele demora um pouco pra responder, mas diz estar com saudades.. Mando mensagem para Morgana que diz estar na aula e que está feliz pelo meu encontro com Luke e que com certeza vai me ajudar a me arrumar. Não que eu precise, mas Morgana sabe dar aqueles jeitos com a maquiagem para ficar melhor. Já que a minha aparência não é uma das melhores.

    "Minhas costas dói" Harry diz assim que passa pela porta de entrada. Ele cumprimenta todo o resto e me abraça "Dormi dentro do carro"
    "Porque?" pergunto.
    "Porque Gemma escondeu a chave que fica do lado de fora de casa... e eu só consegui entrar quando a minha mãe acordou as cinco." ele bufa e joga as mãos pra cima para se esticar.
    "Porque não foi dormir lá em casa?"
    "Porque eu não queria atrapalhar" ele caminha até o avental e se veste.
    "Se você tivesse dormido lá. Aposto que eu não teria um pesadelo"
    "Como assim?" ele veste as luvas e me olha do outro lado da cozinha.
    "Sonhei com Zayn... E depois com Justin... Eles eram a mesma pessoas, foi muito real" sinto minhas pernas tremerem.
    "Esse garoto não está fazendo nada bem pra você"
    "Não mesmo, depois que eu o beijei as..."
    "Espera ai, você beijou o Zayn, Kaylee? E não ia me contar?"
    "Não queria que ninguém soubesse" Bato minhas costas contra a parede.
     "Não é pra tanto... Você queria beijar ele desde o começo"
    "Pois não quero mais" dou as costas. "Vou me encontrar com Luke hoje e vou esquecer esse sonho e o... Beijo"

Saio dali para pegar algumas coisas no estoque e quando volto Harry já está conversando animado com Cintia, agradeço por ele não tocar mais no assunto, na hora do almoço Morgana aparece e me maqueia dentro do carro de Harry, me ajuda com um batom nude e rímel nos olhos, termina e vai comer com Harry enquanto eu sigo em direção a lanchonete dos pais do Luke, quando chego percebo que estou mais cedo do que imaginava, e como ele não chegou ainda eu escolho uma mesa e espero. Fico por uns dez minutos esperando e então mando uma mensagem, ele não responde e isso me preocupa, tomara que ele esteja só atrasado. Muitas pessoas entram e saem e eu fico ali, sentada sozinha esperando por um bom tempo, resolvo pedir um suco de laranja e um hambúrguer com fritas, mando mais uma mensagem e a primeira nem foi respondida, fazem vinte minutos de atraso e eu começo a me preocupar em talvez ter acontecido alguma coisa com ele.

    "O que essa gótica faz sozinha?" escuto um sotaque agudo e ergo a cabeça largando o celular em cima da mesa e encontro enormes olhos azuis. É Niall e por alguns segundos esperei que fosse Luke.
    "Oi Niall" sorrio.
    "Lembrou meu nome" ele sorri "Eu meio que esqueci o seu" ele da uma risada forçada e eu baixo os olhos.
    "Kaylee"
    "Isso, sabia que era alguma coisa assim... Desculpa é porque não é comum" ele da uma risada mais normal.
    "Não tem problema"
    "Você não respondeu a minha pergunta" ele diz sério.
    "Ah..." respiro e olho pro celular e depois para o Niall "Esperando um amigo.. E você?"
    "Eu vim com Zayn" ele aponta para atrás dele e esse nome me arrepia inteiro, eu não quero vê-lo mas a curiosidade fala mais alto. Me esquivo e olho para Zayn que está em uma mesa, seus olhos estão presos em uma morena dos cabelos cacheados... Outra? "Se seu amigo não vir, você pode se sentar com nós" ele sorri gentil.
    "Claro" com certeza não sabe como eu e Zayn nos odiamos.

Ele se afasta e Zayn olha na sua direção e depois para mim, sua expressão é séria como se ele estivesse com raiva, lembro do meu sonho e em como o rosto dele não tinha barba e ele parecia uma criança, seus olhos cheios de lágrimas... Era só um sonho.
Recebo uma mensagem de Luke dizendo que o pneu do carro dele furou e que ele vai demorar, mas eu só tenho vinte minutos e não posso esperar. Pago a minha conta e mando mensagem pro Luke dizendo que ele nem precisa vir. Sinto uma raiva aumentar dentro do meu corpo e eu encaro Niall que ri de alguma coisa hiper engraçada pelo jeito e Zayn passa as mãos pelos cachos da menina, como ele pode conseguir tão fácil uma garota? Para ele é tão fácil descartar as pessoas da sua vida. Levanto para ir embora, mas escuto Niall chamar meu nome, por favor não faz isso.

    "Já vai?" paro uns metros de distância dele.
    "Tenho que voltar para o trabalho" digo e não olho para Zayn, por mais que eu sei que ele está olhando para mim.
    "Mas você não esperava alguém?"
    "Ele não veio" dou um sorriso para Niall e vejo Zayn rir, olho para ele com o mesmo ódio de sempre.
    "Ah... Ele deve ter se ocupado" Niall diz gentil.
    "Ou ele não aguenta ela... Como ninguém aguenta" Zayn Idiota Malik.
    "Zayn para com isso." a menina pede e Zayn tira as mãos dos cabelos dele.
    "Eu estou errado? Ninguém aguenta ela... Nem a mãe dela"
   "Hum" dou um passo até ele e olho pra menina. "Você é namorada dele?" ela junta as sobrancelhas e balança a cabeça que sim. Então quer dizer que Zayn mentiu?
    "Garota" Zayn diz e se levanta, mas a menina também se levanta. Estou prestes a contar para ela do beijo, e por incrível que pareça não fico surpresa em saber que ele mentiu.
    "O que foi, Zayn?" pergunto e sorrio para ele. "Eu já cansei de você sabia?" pergunto e ele fica parado com os olhos castanhos me olhando. "Não vou brigar com você, mais, por qualquer coisa"
    "Como assim?" a menina pergunta e segura a minha mão. "Me explica isso"
    "Pede para o seu namorado te explicar" solto a mão dela do meu braço com agressividade "Bom te ver, Niall"

Dou as costas e quero correr para o mais longe que posso, eu já não raciocino mais, meu corpo todo está em um turbilhão de confusões, ele pega a loira, pega a morena e diz para mim que não namora com ninguém, como ele pode fazer isso com as pessoas, esse jogo dele de brincar com as pessoas, isso é errado, até mais errado do que todas as vezes que provoquei ele, que quis ser melhor que ele. Até as minhas palavras contra ele, são menos ridícula do que essa brincadeira que ele faz com as pessoas.
Quando chego na padaria conto para Harry tudo e ele só me abraça, Luke manda mensagem dizendo que vai me buscar para ficarmos na minha casa e ele me recompensar o pneu furado, aceito porque Luke é um garoto bom demais para não merecer mais uma chance, até porque a culpa não foi dele pelo pneu furado.
O horário da minha saída felizmente chega mais rápido do que eu imagino, e eu me despeço de Harry que vai ficar para arrumar algumas coisas, encontro com Luke do lado de fora da loja e corro na direção dele o abraçando, seu cheiro é forte e doce, e ele me dá um beijo no topo da cabeça quando o afasto, ele sorri gentil e abre a porta do carro. Luke é uma ótima pessoa.

    "Hum... Desculpa por hoje de tarde" ele diz enquanto dirige para a minha casa.
    "Tudo bem, não foi sua culpa"
    "Eu juro para você que ele não estava furado, eu não furei ele."
    "Como assim?" pergunto e o olho.
    "Meu irmão disse que viu os amigos daquele cara, rondando a vizinhança hoje. Mas pode ser só uma coincidência"
    "Que cara, Luke?"
    "Quer saber... deixa pra lá, eu já arrumei mesmo"

Quero insistir para saber de quem ele está falando e que não é quem eu imagino que seja, porém também não quero saber da resposta, para não ficar mais irritada ainda do que tenho ficado nos últimos dias, então eu me calo. Quando chego em casa, apresento Gen para Luke e ela me conta que os meus pais foram jantar com os pais dela, o que é um grande alívio, eu não estou afim de apresentar Luke para meu pai, sei o que minha mãe acha dele e aposto que com o meu pai não vai ser diferente.
A gente se diverti um pouco, Gen conta algumas histórias engraçadas sobre nós duas quando eramos pequenas e Luke se acaba de tanto dar risada. São sete e meia da noite quando fico com fome e Luke mexe no celular sem parar, Gen inventa de fazer alguns brownies e eu não faço a menor ideia de como começar a fazer isso. Ela deixa Luke e eu na cozinha mexendo na massa e vai trocar de roupa.

    "Você está estranho, o que aconteceu?" pergunto pelo fato dele não largar o celular.
    "Não é nada" sua voz saiu em tom rude e ele se recompõe "Será que isso vai ficar bom?"
     Dou um sorriso sem jeito e experimento a massa "minha prima não é muito boa nessas coisas, mas está gostoso" puxo ele para experimentar também mas um barulho na sala me distrai. Gen grita assustada e eu corro pelo corredor encontrando um Zayn nervoso, com a camiseta branca rasgada e o rosto machucado. Ele está parado com os olhos cheios de ódio na porta me assusta.
    "Cadê aquele filho da puta?" ele pergunta nervoso e sua voz saiu rouca, seus dedos sangram e eu não consigo responder, ele passa por mim com rapidez e eu corro atrás dele pelo corredor. O que está acontecendo? "Ai está você" Zayn vai na direção de Luke que estremesse.
    "Zayn o que está acontecendo?" grito e vou na direção dele, mas ele me ignora e pega Luke pela camiseta e levanta ele quase o beijando. "Solta ele, Zayn!" grito.
    "Me diz... Porque você mandou aqueles caras na minha casa?" Zayn grita contra o rosto pálido de Luke e eu fico sem reação.
    "Que merda está acontecendo?" Genevive grita e corre me puxando pra longe. "Vão brigar lá fora, se a minha tia chegar..."
    "Eu vou quebrar todos os seus dentes" Zayn solta o Luke e eu agarro seu braço antes que ele bata no Luke, não sei porque fiz isso, mas parece dar certo, os olhos quentes e escuros de Zayn me olham com fúria, mas ele solta a minha mão do braço dele e me olha. "Kaylee" é a primeira vez que ele diz meu nome e eu arregalo os meus olhos. "Você não vai querer se meter" a voz sai falhada e ele não tira os olhos de mim.
    "Você furou os meus pneu!s" Luke diz criando coragem e Zayn olha para ele e ri.
    "Eu furei os seus pneus? Porque eu faria isso?"
    "Você vai querer mesmo que eu diga?" Luke puxa todo o ar e seus peitos e o seu rosto está vermelho.
    "Zayn... Você fez isso?" pergunto e ele me olho com raiva.
    "Você acha que eu faria isso? Furaria o pneu de alguém?" minha resposta seria sim porque eu não conheço ele mas conheço a história dele, conheço tudo que falam sobre ele.
    "E porque não faria? Você fez isso para que eu não me encontrasse com Kaylee, já que você ameaçou Niall e os demais para que não descem ideia nela"

O que?

CAPÍTULO DEZ - STRANGERS

Nenhum comentário:
Kaylee
Eu fiquei ali, por quase meia hora, com os meus pensamentos avoados, eu mal conseguia raciocinar. Naquela altura do campeonato eu já não sabia se eu estava certa ou não. Será que brigar com esse garoto foi besteira? Porque a gente tem vivido esse círculo vicioso e eu acho que é porque eu estou magoada por ele ter namorada, porque desde o início disso quando eu o vi na casa do Daniel, apesar das coisas que Alexia falou dele eu ainda me senti atraída por ele, seus enormes olhos castanhos, seu rosto delicado, sua barba bem cuidada e seus lábios, ele era tão lindo e ao mesmo tempo tão diferente, ele soava um tanto misterioso e eu acabei me encantando pela curiosidade que eu tinha de conhecê-lo. Mas me decepcionei por ele ter uma namorada e isso tudo se resultou ao ódio que eu demonstro por ele hoje, as vezes a gente prefere odiar a pessoa só pra fazer parte da vida dele, porque afinal ficar com ele seria complicado já que ele tem uma namorada.
Era isso que eu queria então, só fazer parte da estória, sendo bem ou mal.
Sem pensar duas vezes, pego uma garrafa de whisky que tem na geladeira e encho um copo, a bebida desce extremamente horrível na minha garganta, mas eu não desanimo até todos os pensamentos sumirem da minha cabeça, no segundo copo eu já não lembro mais em que eu estava pensando.
Por um reflexo caminhei até a porta e encarei ele, em pé ao lado de Louis e Alexia, ele bebia alguma coisa, e seus olhos estavam presos em Louis que falava alguma coisa muito interessante, Zayn usava uma camiseta azul e uma blusa de moletom, um tênis da converse a calça preta, seu cabelo estava penteado daquele jeito pro alto, eu não faço ideia como os garotos fazem para deixar seu cabelo assim, mas Zayn parecia ser daquele tipo vaidoso. Fico um tempo o observando sem que ele perceba, ele também não olha muito para os lados, e também não sorri muito, não verdadeiro, só aqueles sorrisos quando quer me deixar irritada. Quase uns vinte minutos depois, ele se afasta de Louis e tira um cigarro do bolso, o sigo com os olhos e ele some por trás da casa, dou a volta por dentro e entro pela dispensa saindo na área da piscina onde encontro ele, encostado no muro de madeira, ele me olha e claramente demonstra deboche.

    "Então você está sem a sua namorada hoje?" pergunto a fim de matar a minha curiosidade, Zayn ascende o seu cigarro - que não é um cigarro normal - e mexe os ombros.
    "E daí?" ele diz rude, e eu já me arrependo de ter vindo até aqui. "Qual o motivo de você ter me seguido? Quer fumar maconha também?"
    "Não sabia que você era desses" digo.
    "Desculpa por te decepcionar" ele debocha e eu caminho até a mesa que tem ali, o dia está frio e a piscina está coberta pela lona, encaro-a lembrando que tenho que limpá-la. Sei que faço uma careta e mal consigo me encostar na mesa, vejo Zayn me olhar com curiosidade.
    "Você mentiu sobre o carro" falo alto e olho para piscina, melhor evitar contato visual. "Minha mãe disse que você não quer que ela pague."
    "Eu não menti." eu olho pra ele e vejo ele soltando a fumaça no ar. "Eu só não queria que a sua mãe se responsabiliza-se por um crime que você cometeu"
    "Eu não cometi um crime" fico espantada.
    "E acertar tomates no carro das pessoas é o que?" ele suspira, parece se lembrar do acontecido. "Uma caridade para a cidadania?"
    "Deveria ser, ninguém gosta de você por aqui" digo levemente alterada, ele me deixa alterada, mas o alcóol influência nesse caso.
    "Além de criminosa, ainda é mentirosa." ele coloca o cigarro na boca e anda até a beirada da piscina, quando vou falar alguma coisa ele me olha e começa: "Sabe, temos mais coisas em comum do que você imagina"
     Quando escuto não consigo conter a risada. "Eu não tenho nada em comum com você" digo e olho na direção dele.
    "Bom, você vai ver um dia. Quando parar com esses joguinhos de querer me irritar." eu levanto e caminho até ele, ele me olha com um jeito misterioso, sem reação.
    "Eu querendo te irritar? Você faz isso. Você estragou meu encontro com o Luke..."
    "Ah meu Deus, eu estraguei uma noite de sexo entre vocês dois, como eu sou um cara desprezível" ele ironiza e eu fico mais irritada.
    "Não foi isso que eu quis dizer" eu tento erguer um dedo na direção dele mas meu corpo pesa e eu sinto ele balançar de um lado pro outro de leve.
    "Sabe qual o seu problema? Você pensa que se você for a última a dar a palavra, você vence. Mas quem vence é quem sai fica por cima" ele solta a fumaça de novo. "Aquele seu vexame ontem... Só fez as pessoas terem dó de mim. Você não sabe quantas garotas vieram me consolar" ele dá um risinho.
    "Você se fez de vítima?! Ah como eu não pensei nisso?" bufo "Por isso você não fez nada e só fez o seu show depois que não tinha ninguém para assistir"
    "Sabe?! Algumas pessoas acham que eu fui o culpado da morte do Daniel. Mas ninguém sabe de nada, então eu ando tentando mudar as coisas..."
    "Você demonstrou ser muito o que as pessoas dizem de você, ontem me ameaçando" grito contra ele. "Você disse coisas horríveis e hoje vem na minha casa..."
    "Eu não retirei nada do que eu disse para você" ele se aproxima mais.
    "Eu quero ouvir você dizer então, aqui e agora que vai acabar comigo. Porque se você quer que esse jogue acabe, não vai depender de mim o fim dele. Enquanto você me provocar eu vou rebater"
    "Você está vendo só? Tem muito mais em comum do que eu achava" ele ri e eu cruzo os meus braços.
    "Você não consegue né? Não consegue..."

Não termino de dizer e sinto ele me empurrando, caiu com força na água e demoro uns segundos para notar que cai, a lona afunda comigo e a água está muito fria, o desespero toma conta de mim e eu me arrependo por tentar gritar e a água entrar toda na minha boca, tento subir até a superficie  mas a lona me complica e eu fico presa, fecho os olhos desesperadas, não consigo pensar em nada, tento me largar da lona mas ela gruda no meu corpo e fica impossível de até mexer os braços, quando sinto a fraqueza tomar conta do meu corpo eu paro de rebater meus braços mas logo sinto ser puxada até a superfície e agradeço por recuperar o ar, bato os meus braços com força, mas logo que me segura me prende e eu não consigo me mexer, quando sinto minhas costas baterem no chão e o vento gelado me deixar com mais frio abro os olhos e vejo Zayn, todo molhado, seu cabelo cai sobre a testa e ele cospe a água no chão. Sento rapidamente e minha visão fica turva por um tempo, minha cabeça lateja de leve e eu começo a tossir tentando recuperar o meu oxigênio o mais rápido possível, minha garganta doí e meu nariz também. Vejo Zayn ajoelhado do meu lado, seus olhos são de preocupação, mas quando eu me recupero ele muda a expressão pra de deboche novamente.

    "Você tem que tomar cuidado... Fica tropeçando e caindo nas coisas" ele diz e sorri.
    "Você me empurrou!" levanto no mesmo momento que ele e começo a dar vários murros no peito dele. "Você poderia ter me matado, eu não conseguia respirar" eu começo a gritar enquanto o esmurro mas ele segura as minhas mãos com força e me olha nos olhos.
    "Você é mais bonita brava" ele diz e me empurra contra o muro de madeira, meu corpo inteiro trava e eu fico olhando em direção aos seus lábios que tremem muito.
    "Me solta" peço mesmo que por dentro o meu consciente dance igual uma louca e puxe todos os cabelos enquanto grita, me beija me beija me beija. Por favor, me beija.
    "Você quer que eu te solte?" sua respiração não é a única coisa quente que eu sinto, meu corpo inteiro está em chamas e novamente meu consciente grita. "Por favor" eu peço, mas na minha cabeça é para ele fazer outra coisa, Zayn solta as minhas mãos e dá um passo para trás, mas eu própria não resisto ao meu coração e não escuto a minha razão, agarro o rosto molhado de Zayn e abro os lábios e vou beijar sua boca.

Meu corpo inteiro se esquenta, e eu festejo por dentro, sinto uma coisa que não dá pra explicar, uma sensação gostosa de estar ali. Sinto mais o gosto do whisky na minha boca do que o que tem na boca de Zayn, sinto a mão dele pressionando a minha nuca e sua língua faz presença na minha boca e eu sinto como se seus lábios derretessem em mim. Eu paro de me movimentar e deixo meus lábios leve abertos e Zayn agarra meus lábios com a sua boca com força tomando controle da situação. Mas o álcool está indo embora do meu corpo e eu me sinto mais racional, quando ele desliza a mão para a minha cintura eu me afasto e Zayn parece confuso, ele ronrona como um gato e eu quero voltar a beijá-lo más lembranças dos dias anteriores voltam a minha cabeça e eu me perco inteira. Que merda eu acabei de fazer?

    "Eu... Isso não era para acontecer" digo e vou andando mas Zayn segura meu braço.
    "Se é porque você acha que eu tenho namorada.. Eu não tenho" ele se explica e seus olhos brilham.
    "Eu não ligo para isso" tento me soltar e ele não me solta, mas também não está apertando forte. "Você fez um show por dias... Para no final das contas me beijar? Ah meu Deus... Eu te beijei porque estava bêbada e você abusou disso"
    "O que?" ele me olha confuso e me solta. "Olha você dizendo que eu estou aproveitando de você."
    "Sim. E eu estou certa dessa vez... qual é eu não estou ficando maluca, não vou beijar alguém que me humilhou, você disse que acabou com o meu encontro, você diz para as pessoas que eu sou lésbica e que não quer que eu beba do seu copo, vmas vem aqui e beija a minha boca? Você me derrubou na piscina, Zayn." grito com ele e quero dar mais murros nele. Ele fica quieto e seus olhos ficam escuros "Eu nem sei porque beijei você, você é um babaca, drogado..." ele da uma risada muito alta e eu paro de falar.
"Você está certa, você em razão...  Desculpa por ter te empurrado na piscina, não era intenção te machucar, eu... desculpa. - eu fico em silêncio e pela primeira vez eu o vejo sendo sincero e legal, mas não dura muito. "Mas... eu te chamei de lésbica sim... E você disse ontem que não me beijaria nunca... E hoje a primeira oportunidade que teve me beijou" ele se aproxima de mim como um animal se aproxima da sua presa. "Só queria provar, que você é bem falsa"
Antes que eu possa dizer alguma coisa, ele sai muito rápido e agressivo por mim. Eu não consigo ir até ele para discutir, minhas energias acabaram, e eu só consigo pensar no ódio que eu alimentei. Em todas as palavras que eu disse e que no fundo eu não queria ter ouvido aquilo. Eu queria que aquele beijo fosse real, mas Zayn me decepcionou, mais do que todas as vezes que ele implicou comigo, me sinto confusa. Como ele é capaz de ser educado e ao mesmo tempo ser um babaca, Zayn é como uma montanha russa, quando você está lá em cima e de repente desce com tudo. E isso me assusta mais do que os boatos que falam dele. 

CAPÍTULO NOVE - STRANGERS

Nenhum comentário:
Kaylee
Bato os pés com força na direção dela, todos ainda pensam que somos amigas, até mesmo minha mãe. Inclusive passei a semana inteira inventando desculpas de que ela estava com muito trabalho na escola e por isso não tinha vindo em casa encher o saco. Minha mãe se quer desconfiou.
Eu não ia brigar com ela aqui na frente das pessoas, mas também não ia deixar com que ela entrasse na minha casa com qualquer tipo de pessoa. Ela só pode estar de brincadeira, sabendo o que ela sabe, tudo que aconteceu nas últimas semanas, ela me trás logo ele, logo esse babacão para a minha casa, ela só pode estar brincando com a minha cara. Mas eu não poderia deixar de notar enquanto eu andava o quanto que Zayn se destacava, ele nem parecia existir, parecia mais um daqueles caras que a gente inventa na nossa mente depois de ler um livro, um homem de história em quadrinho, de catalógos de roupa intima. 

    "Pode ir embora" rosno e paro diante Zayn. Ele dá um sorriso e me olha de cima abaixo e seus olhos pararam na minha perna.
    "É só você fingir que eles não estão aqui" Alexia toma a frente e me encara.
    "Você é muito descarada mesmo, aceitar você na minha casa eu até aceito porque sua mãe é amiga da minha... Mas esses dois..."
    "Eu não tenho nada contra você, Kaylee" Louis diz mas não muda nada.
    "Nós costumávamos ser amigas também, Kay" Alexia diz e a raiva aumenta.
    "Antes de você me trocar por garotos" digo.
    "É porque ela gosta de garotos, diferentes de você" Zayn provoca.
    "Você ainda tem coragem de vir na minha casa? Depois do que você falou pra mim ontem? Que ia acabar comigo?" digo baixo mas o som está alto ninguém vai ouvir. "Meu pai está ali, talvez eu deva contar para ele sobre as ameaças"
    "Ah aquele é seu pai?" Zayn pergunta depois que eu aponto pro meu pai na mesa que conversa com seus irmãos. "Bom, talvez eu deva ir falar com ele, sobre uma blusa suja de álcool que a filha dele me deve e uma pintura no meu carro novo" ele me irrita a cada palavra que ele diz.
    "Você quer reclamar disso? Da sua roupa e do seu carro? Diga para ele sobre os seus insultos e que eu só te dei o que você me deu." respiro fundo e cruzo os braços nervosa. "Eu não sei quem você pensa que eu sou, mas eu não sou essas garotas que você humilha"
    "Eu não sei nada sobre você" ele diz sério e perco um pouco a distração quando ele passa a língua pelos lábios "Mas você entrou nesse jogo comigo, e agora nós vamos até o fim"
    "Está me ameaçando de novo?"
    "Parem vocês dois" Louis pede e vejo que ele está carregando uma bandeja. "Aqui não é lugar para..."
    "Alexia" minha mãe chega de surpresa e grita, eu me assusto e ela passa por mim para abraçar a cobra, olho pra Zayn e ele está com os olhos presos no meu e o sorriso falso. "Quem são seus amigos?"
    "Esse é o meu namorado, Louis" namorado? "E esse meu melhor amigo... Zayn" interessante mal conhece e já vira melhor amigo. Cobra.
    "Sejam bem vindo rapazes... Zayn eu já conheço... Filho da Trisha e um dos meus melhores alunos"
    Aluno? O que? "Como assim?" pergunto assustada.
    "Eu sou professora o que você acha que ele é meu?" ela diz ignorante como sempre. "Ficam a vontade" ela sorri amarelo e olha pra mim como se fizesse uma pergunta, ela deve estar pensando sobre Zayn ter me ameaçado aquele dia para ela, mas dou um sorriso falso fingindo que estou bem com ele ali e ela acredita, ela sempre acredita.
    "Bom, pelo visto eu sou bem vindo aqui." Zayn sorri vitorioso. "Com licença, Keitlin"

Ele passa por mim com Alexia e Louis o seguindo, eu fico sem saber o que fazer, aliás para onde eu vou correr para poder gritar? Olho para Harry e franzo o cenho, ele também não entende nada, minhas mãos começam a tremer e eu estou mais do que brava, eu estou querendo dar uma de escandalosa, eu não sou assim. Mas o que fazer quando a pessoa que você mais abomina no mundo está no seu quintal e você não pode fazer nada. Aliás, minha mãe é professora de Zayn? E ele é o melhor aluno dela? Por isso que quando ele me ameaçou ela brigou comigo. Mas defender ele já é demais, deixar ele entrar aqui sabendo de tudo que ele já me falou. Corro até a minha mãe que está na cozinha.

    "Você sabia que ele me ameaçou né? Disse que ia acabar comigo?" grito com ela e ela se vira.
    "Ele me contou tudo, disse que você acertou tomate no carro dele"
    "Sim porque ele me chamou de lésbica" grito mais uma vez.
    "E você deu um piti. Você não é mais criança, Kaylee. Não tem que ficar brigando com as pessoas porque elas têm a opinião delas sobre você." arregalo os meus olhos.
    "Você disse que ele era perigoso, que queria que eu ficasse longe dele" Bato a mão contra o balcão enquanto ela corta umas frutas.
    "Conversei com ele, Kaylee. Ele disse coisas que fazem a gente repensar. As pessoas cometem erros ao julgar as outras... E sim ainda quero que você fique longe dele. Ele não é o tipo de garoto para você, Harry é" reviro os olhos se ela ao menos soubesse que Harry não pensa nem na possibilidade de me beijar.
    "E vai deixar ele aqui? Na sua festa? E se me bater?" tento mais vez.
    "Ele é filho da minha amiga. E vai ficar aqui porque é amigo da sua amiga. Então para com essa atitude de criança e vai ficar com os seus amigos..." ela termina de cortar as frutas e coloca em um prato. "Ele não vai te bater, ele prometeu pra mim" ela caminha até a porta.
    "Você não sabe nada sobre ele" falo baixo.
    "Pelo menos ele não disse que eu não precisava pagar o carro que você danificou de tomates"
    O que? "Ele disse que não precisava?"
    "Você ouviu"
Ela passa pela porta e eu fico ali, sem entender. Se ele não queria que pagasse porque ele falou que eu devia isso para ele? Porque ele ainda fica falando sobre isso?

CAPÍTULO OITO - STRANGERS

Um comentário:

Kaylee
Zayn para a algums metros de mim, mas ele não fica ali, ele caminha mais alguns passos e se aproxima mais, não sabia que Morgana sabia quem ele era, mas sabia, porque pela expressão em seu rosto ela sentia um pouco de irritação, não cheguei a comentar com ela então me concentro para pensar se Harry poderia ter dito algo, mas sem resposta, meu corpo está em combustão por conta da bebida, e fico preparada para correr dali, não sei se tenho energia para começar uma nova briga idiota com o Zayn, por mais que no fundo eu queira, eu não aguento mais. 
    "Ah... E não é que ela é lésbica mesmo?" ele diz e sorri daquele jeito malicioso, minhas bochechas queimam e eu já quero xingar ele e fazer um escândalo.
    "Qual o problema se fossemos?" Morgana diz e me desvia da situação que eu estava de querer quebrar uma garrafa na cabeça daquele idiota.
    "Por acaso falei com você?" Ele quase fecha os olhos e o sorriso continua no rosto.
    "Não importa.." ela começa a falar mas ele interrompe e passa por ela, ele parece aquelas celebridades no meio das pessoas, elas param para ver o que ele vai fazer para onde ele vai andar.
    "Shhh. Ninguém falou com você" ele bota o dedo na boca de Morgana e no mesmo instante ela se cala. Como ela pode se calar com a ignorância desse idiota? "Você me deve uma pintura nova." ele diz olhando para mim.
    "Você vai ter que implorar" às palavras saem da minha boca sem permissão, o álcool. Ele muda meus limites.
    Ele ri com o rosto longe do meu, a luz clara ilumina só um lado do seu rosto e as suas pupilas estão dilatadas. "Eu não vou implorar nada, você vai me pagar uma pintura nova!"
    "Hum... Vejo que os tomates deram trabalho." me movo a sua frente e ele me segue com os olhos, paro perto de Harry e Zayn se move através da Morgana e para na minha frente de novo.
    "E você acha graça?" ele pergunta enquanto as pessoas assistem sua atuação de bom moço, até parece que ele não é um cretino. "Posso enviar a conta para a sua mãe então... Ou para alguma das suas namoradas" ele cruza os braços e a expressão divertida volta para os seu rosto. Dessa vez eu não me importo, mantendo minha postura divertida, dou um sorriso na direção dele. Não tem porque alimentar rixa com um garoto que ainda não amadureceu.
     "O seu problema é que eu possa ser lésbica porque beijei uma mulher?" pergunto e caminho até ele, ele não se move, não escuto mais a música, nem todos estão vendo essa discussão boba, mas muitas pessoas estão em nossa volta, torcendo por Zayn ou por mim. Nunca vou saber. Quase encosto meu corpo no do Zayn, seus olhos estão presos em mim, ele não diz nada e me encara, meu ódio está estampado no meu rosto. "Eu vou dizer uma coisa pra você, Zayn Malik" aponto meu dedo na sua direção enquanto ele só assiste, para o que dizem dele, ele é muito fraco. "Se tivesse só você e uma menina pra eu ter que escolher... Você não passaria nem na minha opção de escolha"
Movo as sobrancelhas e dou um sorriso malicioso igual aqueles que ele costuma dar. Dou um empurrão no seu braço quando eu passo, as pessoas em volta não falam nada, um sorriso e uma mistura de espanto estão no rosto de todos ali. Meu salto bate forte no chão enquanto tento achar a trilha de volta para o carro de Harry, nem que eu passe o resto dos meus minutos deitada do lado do carro dele, eu não tenho mais coragem para voltar para a festa e pra ser sincera, não quero mesmo.
Mas para a minha felicidade não preciso ficar esperando, Harry surge logo atrás de mim com aquele sorriso de sempre no rosto, sua gargalhada é confortante e eu me sinto aliviada ao ter o apoio dele.
    "Cara... Que ótimo chute" ele bota a mão no meu ombro. "Mais do que merecido"
    "Não sei como ele não me humilhou" digo sendo sincera e vejo que Morgana e Nick estão vindo atrás. "Estraguei o seu encontro com Nick"
    "Não, até que foi bom... Ele meio que não se solta, não sei se vou querer vê-lo de novo" encaro Harry e ele da uma risada. "Não é como se eu fosse obrigado, aliás... Nós esperamos atitudes"
    "Todos esperamos." suspiro e paramos do lado do carro de Harry. "Não estou me sentindo mais bêbada"
    "Depois do que você fez... Para ser sincera nem eu estaria" Morgana diz sorrindo e entramos os quatro no carro.
Olho as horas no celular e são onze e quinze, Harry comenta alguma coisa que não presto atenção e ele liga o rádio bem alto e o som entra nos meus ouvidos com força me dando uma enorme dor de cabeça, assim que Harry dá ré no carro eu escuto um estrondo forte e olho para o Harry assustado e ele grita com ódio, olho para fora e Zayn da um murro na janela ao lado de Harry e o barulho estrondoso se repete, arregalo meus olhos e me arrepio inteira, ele aponta para mim do lado de fora do carro e seus olhos estão escuros como a noite. Ele grita me xingando do lado de fora e eu me irrito. Harry abaixa o som do carro e eu escuto xingamentos de Zayn com clareza.
    "Você é um babaca, uma criança ainda que não saiu das fraudas" rebato.
    "Você não sabe o que eu vou fazer com você" ele grita e bate a ponta do dedo na janela.
    "Faça agora... faça o que você tem que fazer... Vamos ver se você só ameaça ou sabe realmente fazer alguma coisa" minha garganta dói cada vez que grito mais contra ele, a minha braveza só está disposta porque tem Harry e uma janela impedindo de Zayn me pegar.
    "Vamos embora, Harry" Morgana pede.
    "Vamos ver até aonde ser marrenta vai te levar" Zayn grita e seu hálito embaçou o vidro.
    "Vamos ver se você é o que dizem de você..." grito mais uma vez "Sai com esse carro Harry, mesmo que tenha que atropelar esse escroto" Harry continua dando ré e desvia de Zayn que olha para a minha cara, bravo e com as mãos no bolso. Mostro o dedo do meio para ele. Muito educada.
Minha cabeça dói mais do que antes, meus pensamentos estão confusos e por mais que eu queira chorar de raiva a vontade de quebrar alguma coisa é mais forte do que qualquer coisa. Sinto vontade de socar as janelas, a porta, o Harry... Tudo que tem dentro desse carro até a raiva passar. Minhas bochechas queimam e eu estou soando por mais que esteja muito frio lá fora. Eu não tenho medo do que um adolescente possa fazer, na verdade eu tenho sim, mas não posso demonstrar, eu sei que ficar discutindo com ele dando trela para essa briga toda pode acabar pior do que eu possa imaginar, mas o meu temperamento sempre vai falar mais alto em situações como essa, situação de quando a pessoa bate de frente comigo, sempre tem alguma coisa dentro de mim que fala mais alto e eu acabo afrontando sem temer as consequências, sem pensar nos meus limites e no resultado disso. Pode até parecer bem infantil essa briga, mas enquanto um garoto que acha que pode tudo tentar pisar em cima de mim, ele vai receber da mesma moeda... Ou até pior, aonde está escrito que eu vou sentar para algum filhinho de papai bater na minha cara? Ou eu me defendo ou ele vai continuar achando que humilhar as pessoas é o certo a se fazer. Alguém tem que colocar Zayn Malik no lugar dele.
Quando chego em casa não é nem onze e quarenta ainda, Harry pergunta se quero que ele durma comigo e eu digo que sim, peço para Morgana vir também, já que ela disse durante toda a viagem que ia ter que dormir na faculdade porque a mãe dela não ia deixar em casa depois das onze horas - até parece que a mãe dela é pior que a minha, mas não - Entro em casa e minha mãe parece já estar dormindo, tomo um banho rápido e Morgana vai dormir no quarto de hóspedes e Harry vai dormir no colchão no chão do meu quarto. Quando entro no quarto ele já está dormindo, somente de cueca preta e os cabelos cacheados soltos e jogados para cima. Deito na cama e encaro a parede cinza, não consigo pensar em nada, só de Zayn. Como ele consegue tomar todos os meus pensamentos do dia inteiro com apenas minutos de aparição no meu dia. Ele é como um vírus que não pode ser removido por nada da minha cabeça e só de pensar nisso eu quero odiá-lo por toda a minha vida. Aliás... O que eu fiz para ele me encher tanto assim? Será que ele não tem melhores coisas para fazer do que me provocar? Em meio às minhas perguntas eu durmo e nem percebo.
Domingo... Aniversário da minha mãe, juntamente com uma ressaca horrível e logo pela manhã a música que ela gosta toca alto pela casa inteira. Ela por acaso instalou caixas de som pela casa ou meu ouvido está muito aguçado? Ahh... Que seja, minha cabeça já lateja e meus olhos ardem quando o abro, olho para o lençol em baixo de mim e no meio do molhado de baba tem uma enorme marca vermelha por causa do batom. Gemo de raiva e tento levantar mas minhas costas doem e eu me jogo na cama novamente. Harry murmurou um palavrão e eu viro minha cabeça para olhá-lo no chão. Seu rosto está inchado e seus olhos estão bem pequenos, seu cabelo totalmente bagunçado, mas ainda está lindo. Ele força para sorrir e os seus olhos se fecham, e ele não abre mais, com certeza deve estar morrendo de dor de cabeça e não duvido nada que o som da minha mãe esteja piorando a situação. Apanho o travesseiro e coloco ele sobre a minha cabeça para abafar o som, mas não ajuda muito, assim que fecho os olhos sinto a minha mãe puxando o travesseiro e abro os olhos a encarando furiosa.
    "Vá tomar um banho logo, Kaylee, são uma hora da tarde, achei que já estaria pronta" ela diz e joga uma sacola em cima de mim. "Vista isso, seus primos estão vindo para cá e seu pai foi buscar a sua avó na rodoviária" ela caminha até Harry que está coberto até a cabeça e puxa a coberta dele. "Você tem alguma roupa limpa aqui?" ele só balança a cabeça e ela fica olhando esperando uma resposta.
    "Tenho no meu carro, alguma coisa... Não sei" a voz de Harry soa grossa e eu arregalo os olhos como que é grossa quando ele acorda.
    "Então vá também tomar um banho" ela diz
    "Você está me convidando pra sua festa de aniversário?" Harry pergunta e seu sotaque é bem forte.
    "Só não exagera com aquelas roupas esquisitas, garoto." ela dá costas e sai do quarto batendo a porta um pouco mais forte. Ela sempre parece que quer provocar mais.
    "Eu vou antes de você" ele diz e levanta correndo. Levanto logo depois dele.
    "Você ainda vai ter que buscar sua roupa no carro" digo e ele para de correr e me olha fingindo estar bravo.
    "Não demora naquele banheiro" ele diz bravo.
    "Você não mora aqui, Styles" digo arqueando uma sobrancelha.
    "Querida, sua mãe me convidou para a festa dela, ou você aceita, ou se muda" fico perplexa e forço uma expressão de espanto e logo caiu na risada. "Você é patética, rindo de mim" ele volta para o seu estado normal.
    "Você imita muito mal as mulheres"
    "Eu tento" ele dá ombros e se joga no colchão de novo. "Vai tomar seu banho que eu quero me arrumar logo para ver se você tem alguma prima gata"
    "Ah mais gata da família sou eu" pego um conjunto de peças íntimas e minha toalha no quarto.
    Harry solta uma risada. "Então estou ferrado" ele ironiza e eu forço um 'haha' com a garganta antes de bater a porta e ir para o banheiro no corredor.
Eu não demoro muito no banheiro e quando saio dele, Harry entra sem falar comigo e fecha a porta escuto ele xingar um monte de palavrões e reclamar do cabelo dele. E somente dou risada, bato no quarto de hóspedes e Morgana não está lá, o que só me deixa uma resposta, saiu às pressas de manhã para a mãe dela não reclamar demais. Mando uma mensagem para ela perguntando da festa da minha mãe e se ela vai vir e vejo uma mensagem que me deixa um pouco curiosa, olho e de um número que eu já conheço mas que eu apaguei. Alexia.

Kaylee, sua mãe convidou a minha família inteira, então antes que você acha que estou indo para provocar você, estou indo porque fui obrigada a ir. Não tenho nada a ver com a sua briga com Malik. Isso é problemas de vocês. 
Mas não vou inventar desculpas para a minha mãe ou para a sua. Então em algumas horas estarei na sua casa, caso não queira falar comigo. Eu entenderei.

Como ela ousa ser tão ridícula? Respiro fundo antes de mandar ela ir para um lugar bem longe daqui, dígito alguns palavrões, até penso em escrever um texto dizendo o quanto ela consegue ser falsa, mas no final apago tudo, e só escrevo uma coisa básica. 
Tanto faz. Envio.
Ela visualiza na mesma hora, mas não diz mais nada, e eu agradeço. Apago a mensagem, todo o elo que eu perdi com a Alexia quero que continue assim, se ela acha que um garoto vale mais do que a amizade que ela tinha a anos, então vai ser assim. Aliás, tenho Harry... E Morgana - eu acho - agora. E para ser sincera, Harry tem sido muito melhor do que imaginei.
Pensando nele, ele entra no quarto e me pega de surpresa, ele para no meio da porta e me olha confuso mas não diz nada, fecha a porta e vejo que ele já está vestido, uma calça jeans escura hiper mega apertada e uma dessas camisas de manga comprida e ele não prende os botões, - porque deve ser doido - e está sempre com os botões das camisas abertos e mostrando algumas tatuagens - deve ser por isso que ele nunca fecha - seu perfume é forte e ele para em frente ao espelho mexendo nos cabelos molhados.
"Deixo ele soltos, ou prendo?" pergunta e bate os pés descalço no chão.
"Deixa eles soltos, os seus cachos... as pessoas precisam admirar os seus cachos" ele sorri.
"Eu respeito sua opinião" e solta os cabelos deixando com que bata em seu ombro, belos cabelos brilhantes e longo.
Levanto um pouco depois de respirar e olho dentro da sacola e faço um ruído com a boca que não sei exatamente o que é, mas é uma mistura de surpresa com decepção, Harry percebe e vem até a mim. Sei que é um pouco exagerado, mas um vestido vermelho, é o cúmulo, ela quer que eu passe vergonha? Ou chame muita atenção? Das duas eu não queria escolher nenhuma, eu só queria ser uma pessoa discreta que senta em um canto discreto e ninguém me nota ali, porque está discretamente escondida. E não visível. 
    "O que foi?"
    "Minha mãe me trouxe um vestido vermelho de veludo, que era dela" respondo.
    "E que mal tem nisso?" ele diz com naturalidade. Enfio a mão na sacola e tiro o vestido.
    "Ele vai ficar muito curto, eu sou mais alta do que minha mãe"
    "Hum... Não acho que vai ficar ruim."
    "Eu sou gorda, Harry"
    "Cala a boca e bota o vestido" ele puxa a toalha e eu me assusto, mas Harry não tem expressão nenhuma, me puxa para perto dele e me ajuda a colocar o vestido, fico morrendo de vergonha por ser um garoto me ajudando nisso, mesmo que ele deixou claro que eu não faço o tipo dele, mas garotos não costumam ajudar garotas a se vestirem. "Hum..." ele termina de puxar o vestido para baixo e me analisa. "Ficou bem... Como posso dizer... Ahn, gostosa"
    "O que?" quase dou um grito e vou ver na frente do espelho.
    "Sim ficou sim, é tentador olhar pra você e não imaginar coisas" ele anda de um lado pro outro. "Eu posso me controlar, mas não sei as outras pessoas"
    "Então vou trocar... eu devo ter alguma..."
    "Não" Ele grita e me interrompe. "Coloca só uma blusa por cima e um sapato preto. Vai ficar ótimo."
    "Mas você disse que era tentador." eu digo.
    "Mas isso são coisas que as garotas fazem na sua idade, é ser sexy... Aliás você sabe como os homens são, se roupa fizesse alguma diferença, aquelas mulheres da Arábia nunca seriam estupradas." ele vira de costas. "Eu cuido de você se caso alguma coisa acontecer... se eu pegar alguém de gracinha eu sei brigar também"
    Dou risada de Harry e ele vem até a mim. "O que eu preciso fazer?" pergunto.
    "Você é linda do jeito que é. Vou secar os meus cabelos e calçar o sapato. Pelo barulho de carros já devem ter bastante pessoas lá embaixo".
Ele pega uma toalha e começa a secar o cabelo eu me sento na cadeira perto da tomada vou secando os meus cabelos, quando termino passo a chapinha e olho para Harry que está mexendo no telefone. Ele fica nesse telefone o tempo todo, a desculpa é que a mãe dele gosta de saber como ele está e ele fica conversando com ela por horas, mas não consigo pensar na possibilidade de alguém ter tanto assunto assim com a mãe. Eu pelo menos troco duas ou três mensagens por mês com a minha mãe. Eu com certeza não ia aguentar falar com ela todos os dias. Prefiro nem pensar na possibilidade. Quando termino o cabelo pego um lápis de olho e contorno os meus olhos, tento esfumar com os dedos mas não dá muito certo, pego o mesmo batom de ontem a noite e passo nos lábios quando finalmente digo que terminei Harry dá um pulo da cama e me olha sorridente.
    "Você está muito linda... Com certeza, todos vão amar"
    "Eu não estou nem aí para o que eles vão pensar... Você não conhece minha família, Styles" abro a porta e ele me segue.
    "O objetivo é a gente comer muito e ficar feliz. O que eles pensam ou deixam de pensar a gente come também" dou uma risada e ele põe a mão no meu ombro. "Fica perto de mim que tudo vai dar certo." e novamente Styles me passando a confiança que ele tem toda em si.
Assim que eu atravesso a porta dos fundos de casa um enorme desespero corre por todo o meu corpo, a barriga começa a borbulhar e um monte de pensamentos ruins vem na minha cabeça, quero virar de costas e voltar, a ansiedade é enorme e eu nunca consigo reagir a esses momentos, nunca sei o que fazer, se devo comprimentar todas as pessoas com um aperto de mão, ou devo correr na direção da minha mãe e sussurrar algo como 'estou aqui' ou se devo andar me achando por todo o quintal até uma mesa e me sentar com Harry o mais longe das pessoas possíveis. Eu mal consigo olhar para as pessoas que estão sentadas no quintal, eu mal consigo andar.
Respiro fundo e sinto a mão de Harry no meu ombro, meus olhos estão direcionados a minha mãe e escuto Harry pedir para eu parar de comer minha unha. Olho em torno da minha mãe e ela e as pessoas que estão com ela, nem nota a minha presença. Meu corpo todo endurece e eu quase perco a respiração, mas enfim vejo a minha prima no meu campo de visão, seu olhos claros e seu sorriso me conforta, ela e seus cabelos coloridos, dessa vez está azul.
    "Porra Ky, eu fiquei só um ano sem te ver e que puta gostosa que você está" que boca suja que você está Gen.
    "Não mudei nada" digo tímida e ela me abraça.
    "Você está gata. Aposto que Justin adoraria ver como você ficou linda"
Ela toca no nome de quem eu JÁ ENTERREI A MUITO TEMPO. Me altero porque eu sou alterada e isso já não é mais novidade. Mas quer tocar na minha ferida aberta essa hora? Esse é o mal de Genevive, de achar que por eu estar longe, superei Justin. - meu primeiro e único amor - A gente namorou por uma semana e depois tivemos um monte de problemas, ele precisou ir para outro país e depois ele voltou e a gente namorou de novo, ele terminava e depois de uma semana voltava. Eu só tinha 16 anos para lidar com essa pressão de hoje você me ama e amanhã você não me ama mais, eu não faço a menor ideia de como ele está hoje, mas eu sei que amava os seus abraços, amava a forma que ele me olhava e até o jeito que ele fazia todas aquelas palhaçadas para me fazer rir. Com certeza ele foi o meu primeiro amor, sem eu saber o que era amor.
    "Ele mandou lembranças, ele está na Califórnia... Mas disse que adoraria vir te ver" ela continua e me solta.
    "Você ainda anda com ele?" pergunto e ela sorri.
    "Sim. Foi ele que pintou meu cabelo"
    "Ele deve ser artista agora" murmuro com ironia e ela não entende, mas Harry sim.
    "Seu namorado?" ela aponta para Harry e pega na mão dele.
    "Não... Sou o amigo. Harry" ele responde antes que eu possa falar alguma coisa.
    "Não vai me dizer que você está na zona da amizade?" ela pergunta e sorri gentil. Ela é adorável não é mesmo? Ironia de novo.
    "Não... Eu sou a favor de toda a forma de amor seja válida" ele diz e força os lábios olhando pros lábios na esperança de Gen entender.
    "Eu acho divertido. Eu me encontrei no final do ano passado e tem sido maravilhoso" ela responde e eu me esquivo com os olhos arregalados. Ela também é homossexual?
    "Pelo jeito vamos nos dar bem" Harry diz.
    "Tem boca eu estou beijando" ela ergue as mãos e me abraça pelo pescoço.
    "Eu não vou discordar" Harry diz e passa os dedos pelos anéis da mão esquerda. 
Mudo totalmente meu foco, quando vejo meu pai sentado em frente a churrasqueira, ah meu pai. Quanto tempo. Puxo Harry e Gen cada um pela mão e vou até ele o abraçando, fico tão mais confortável agora. Ele me agarra pela cintura e me envolve naquele abraço quente e confortante, eu o amo tanto. E sinto tanta falta quando ele não está em casa, meu cheiro favorito é o amargo que vem do seu perfume, ele alisava minhas costas e quando me solta encaro seus olhos azuis e brilhantes, ele sorri gentil e eu apresento Harry a ele, digo um pouco sobre Harry e sobre ele trabalhar comigo e ser o meu melhor amigo agora, meu pai não deixa de elogiar suas tatuagens e mostrar a que eles têm também, que fez antes de conhecer a minha mãe, Harry se sente à vontade e se senta na mesa com meu pai e meus tios que também me abraçam e me enchem de elogios. Gen não solta a minha mão nenhum minuto o que mostra que a nossa amizade de prima sempre vai ser a mesma por mais que ela corte o cabelo e pinte-o de milhares de cores, por mais que ela tenha opiniões diferentes agora, ande com outras tipos de pessoas ela nunca vai perder a essência que sempre teve.
Depois de falar com todas as pessoas que tinha ali que não eram poucas, os parentes dos meus pais estão todos ali, as amigas da minha mãe também, a mãe de Daniel também está aqui e ela se sente bem melhor agora, sorri e ri das brincadeiras, meu tio já está no meio do quintal dançando as músicas bregas da minha mãe. Eu e Gen pegamos uma mesa e quando estávamos falando sobre Bristol, Morgana chega, seus cabelos estão cacheados e ela educada fala com todos na festa, Taylor também não demora para chegar e se junta a nós, ele me abraça daquele jeito tímido e arruma a bandana preta em seus cabelos castanhos, todos estão na mesma mesa, até Harry que já bebeu duas cervejas com meu pai e agora está dividindo uma com Morgana que está bebendo escondida da minha mãe.
Até que eu estava me divertindo, rindo das piadas sem graça do Taylor e da Gen com suas brincadeiras com Morgana, mas noto Alexia entrando pelo portão de madeira, ela está com uma saia rodada preta e uma blusa branca, um daqueles seus saltos bem alto e seus cabelos ondulados, ela segura uma sacola e a sua mãe entra depois dela, Alexia não comprimenta ninguém e fica parada no portão olhando em volta, percebo que ela está travada igual eu antes, a mãe dela sai na frente e eu me espanto com o que tem atrás de Alexia. E não me espanto pouco, sobe um calor no meu peito e é de raiva, fecho a cara na mesma hora e já levanto. Não acredito que ela trouxe, Louis e esse... Esse idiota do Zayn.