+ I'm Here For You - Capitulo 02

- O Segredo de uma Promessa
'Cause nothin' lasts forever and we both know hearts can change.. - Guns N' Roses
Cheguei à conclusão que tanto indo lá, ou ficando eu tinha lugarzinho ao lado de Deus, porque eu era uma menina muito linda – e bem convencida. Cocei a garganta emitindo um "HumHum" e comecei a andar em direção à porta da cozinha, que ainda tinha a maçaneta viva. Maçaneta viva? Por Deus o que raios eu andava assistindo na televisão? Estava pior que a Annie, sem sombra de dúvidas. Levei a mão até a maçaneta e a destranquei com a chave que estava pendurada ao lado. Pronto, era agora. Que a força esteja comigo. (Star Wars na veia, sorry) Quando eu abri a porta, pensei que o mundo estivesse no fim e esqueceram de me avisar. Meu coração parecia que ia saltar pela boca. Minhas pernas ficaram bambas e minha mão soava feito um chafariz – talvez eu tenha exagerado um pouco. Pronto. Era o meu fim. Já conseguia enxergar a luz.
- AAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHH!

- Calma. Calma. Calma. Sou eu.
- Rebeca sua filha da puta. Que susto dos infernos. Larga a mão de ser esquisita. Sua estranha, não me assusta, porra!
- VOCÊ TINHA QUE VER A SUA CARA. – Ela falou deixando a bolsa na mesa enquanto ria.
- O que é seu está guardado. - falei me apoiando na parede respirando fundo.
- Menina, cê vai ter um troço?
- Não quero papo contigo, baiana. – falei enquanto colocava um pouco de suco no copo.
- Cadê a Annie? - ela perguntou em meio a uma risada.
- Dormindo.
- Sozinha?
- Ela dormiu na minha cama, enquanto eu arrumava a mala.
- Mala?
- Consegui meu curso em Londres.
- A Annie ta bem?
- Sabe, Becky, você devia passar mais tempo com ela.
- Eu tento.
- Não Becky. Não é tentar. É fazer. O que você sabe sobre a sua filha?
- Eu..
- Qual a cor favorita dela? – Ela me encarou confusa – Rosa. – Ela abaixou o olhar, mas eu não iria desistir – Qual a comida favorita dela?
- Eu..
- Lasanha.
- Hn..
- O que ela mais gosta de fazer?
- Desenhar?
- Ela odeia desenhar, porque acha que não sabe. Ela ama assistir bob esponja. Ela tem medo do escuro porque acha que ficou cega. Ela não gosta de ficar sozinha porque tem medo que ninguém volte pra buscá-la. E você não sabe de nada disso.
- Sinto muito.
- Não é a mim que você tem que se desculpar. É pra ela. Ela é sua filha e só tem cinco anos, precisa de você.
- Eu sei.
- Becky, minha mãe não foi a mãe que eu precisei, e eu sofro até hoje com as conseqüências. Não faça o mesmo com a sua filha. – Talvez eu estivesse sendo cruel demais, mas eu não queria a mesma vida que a minha para a minha pequena Annie.
- Acho que vou pedir demissão.
- Devia. – falei enquanto tomava outro gole – e se mudar pra Bahia. – conclui rindo.
- Não antes de te jogar na piscina.
- Nem tente! Sabe que eu não sei nadar.
- Use bóias.
- Você é tão infantil, Becky.
- Vindo da menina que chorou assistindo Toy Story.
- Cala a boca. – falei jogando o restante do suco nela que ria. – Aquele filme mostra uma amizade verdadeira. Digno de um choro, não é? – Dei uma risada e me calei. Não entendi, mas de uma hora pra outra ela ficou séria. – Que foi?
- Quem você pensou que fosse à porta? – eu desviei o olhar para o copo enquanto o colocava dentro da pia.
- Ninguém. Por isso senti medo.
- SeuNome, eu te conheço.
- Já disse.
- Tem mais ou menos um ano que eu reparo seu comportamento, e não é normal.
- Vindo da mulher que não conhece a própria filha, não é? – ela abaixou a cabeça e eu percebi que havia ido longe demais – Me desculpa.
- Não, tudo bem. Você está certa.
- Mas me desculpe, eu não devia me meter nisso.
- Mas se você não fala, eu jamais notaria.
- É. Tudo bem.
- Isso foi um é, tudo bem. Ou um é tudo bem. Ou um.. É, TUDO BEM. – eu arregalei os olhos e a encarei assustada.
- Eu acho que.. sei lá, da pra você parecer mais normal? – ela apenas deu um sorriso.
- Você já assistiu esse filme, não se faça de desentendida. – eu apenas ri. – SeuNome?
- Hm? – falei enquanto pegava uma maça.
- Porque você se corta? – Pronto. Sabia que mais cedo ou mais tarde ela iria tocar nesse assunto. Eu não sei, entrei em pânico e acabei derrubando a maçã.
- AI! – reclamei quando ela atingiu meu pé.
- Desculpe.
- Não é algo que eu goste de falar. – ela apenas assentiu com a cabeça enquanto eu pulava num pé só.
- Vai dormir no sofá?
- Sim, Annie ocupou a minha cama. – eu estava ajoelhada, minha maçã havia sumido.
- Posso tirar ela e.. Que que você tá fazendo?
- Perdi a minha maça.
- E porque simplesmente não pega outra na fruteira? – eu a olhei e dei um sorriso, ela apenas riu. – Quer que eu a tire de lá?
- Não. Seria um crime acordá-la. – falei enquanto deixava a maçã de lado e voltava para a sala, me deitando no sofá.
- Você é mais mãe dela do que eu.
- Isso pode mudar.
- Como irei acalmá-la quando você for?
- Leia Alice no País das Maravilhas pra ela. Sempre a distrai quando ela quer chorar.
- E quando ela quiser você?
- Basta me ligar.
- E se ela chorar a noite?
- Ela é sua filha. Vai saber acalmar ela.
- Sabe.. eu não queria pedir isso mas.. – Ela se sentou na poltrona que havia em frente ao meu sofá e me encarou – Pode levá-la contigo? Ela vai ser mais feliz ao seu lado.
- O QUÊ? – ela fez sinal de silêncio e eu abaixei o tom da minha voz – O quê? Está louca? Como pode desistir da sua filha?
- O que eu posso oferecer a ela? O pai a deixou, eu sou apenas uma empregada.
- Não importa. Você é a mãe dela. Ela não vai se importar com seu trabalho, Becky.
- Mas eu tenho medo.
- E é normal sentir. Mas você não pode deixá-la. Não cometa o mesmo erro que a minha mãe. – eu a vi coçar os olhos. Ela estava chorando. Acho que foi a primeira vez em que ela enxergou a burrada que estava cometendo. Uma boa ação da minha parte. Será que isso garante alguns dias no céu? – Pode dormir no meu quarto com ela. Ela acorda no meio da noite, e se não encontrar ninguém, irá se assustar.
- Obrigada SeuNome. Obrigada.
- Ah. De nada. – falei envergonhada. Não sou muito boa em expor meus sentimentos em voz alta. Um péssimo defeito.
- Você é a minha única amiga. Não queria perder isso.

Acho que foi a primeira vez em que eu a vi como pessoa, e não como empregada. Becky não tinha ninguém na cidade, havia perdido a mãe aos dezoito anos, e engravidado aos quatorze. Um grande erro, a única coisa boa nisso tudo havia sido a Annie, já que o pai fugiu. Rebeca era gentil, engraçada e sofria calada – algo que compartilhamos. Tentava ganhar a vida como podia para garantir uma boa vida para filha, mesmo que isso signifique abandonar seus sonhos. Qual era o seu sonho? Ela queria ser cozinheira em um restaurante famoso. Mas o seu erro foi achar que conseguiria isso com a minha mãe. Eu a olhei ali, sentada, indefesa, com a cabeça baixa e desejei entendê-la. Como era você precisar do colo de sua mãe e não o ter? Quer dizer, eu não o tinha, mas a minha mãe estava por perto e um dia – com muita sorte – a sua maternidade poderia falar mais alto. E quanto a Becky? A quem ela iria recorrer? Ela não tinha ninguém – fora eu. Não sei o que deu em mim. Normalmente eu evito contatos físicos com os outros, mas.. Por alguma razão eu senti a vontade de abraçá-la, e assim o fiz.


- Becky, queria tanto que você pudesse vir comigo. – fui sincera. – Queria ter você e a Annie ao meu lado quando eu começar a minha nova vida. - falei enquanto a soltava.
- Não posso.
- Eu sei.
- Irá me ligar, não é?
- Mas é claro. E vou te contar sobre os boys Londrinos.
- Falam que eles são os melhores.
- Acho que eu vou me acabar lá.
- Cuidado com a tromba, mulher.
- Cala a boca, baiana.
- Obrigada, SeuApelido. – sorri envergonhada. Era a primeira vez que ela me chamava pelo apelido. – Por não me tratar como sua mãe.
- Sou diferente dela.
- Um pouco. Mas ambas tem um personalidade bem forte. – eu ri e ela continuou – Vocês são corajosas e fortes.
- Não sou forte como pensa. Choro a noite quando tenho pesadelo.
- Eu escuto.
- Desculpe.
- Também escuto quando você.. Sabe..
- Escuta?
- Normalmente você quebra algo, e escuta a mesma música, It’s not easy. – eu abaixei a cabeça. – Porque você faz isso?
- Costumava me acalmar.
- Costumava?
- Ultimamente eu tenho buscado consolo em outra coisa. – ela arregalou os olhos e eu ri – Não. Na música Becky. Na música.
- Ah bom.
- Por isso estão cicatrizando. - Respirei fundo. Como eu odiava tocar nesse assunto. - É o nosso segredo?
- Nosso segredo.
- Promete não me entregar pra minha mãe?
- Prometo. Mas o que a Annie sabe sobre isso? – ela perguntou. O motivo era até considerável. Não seria bom uma criança saber disso.
- Ela pensa que eu caio quando estou triste.
- Annie tem um bom coração.
- Poderia abrigar o mundo inteiro, caso ela quisesse.
- Ela me disse que você canta bem.
- Tão bem quanto sei arrumar uma mala. – eu comecei a rir e ela me acompanhou.
- Quando é o seu vôo? – ela perguntou em uma voz fraca.
- Amanhã à tarde.
- Posso te levar ao aeroporto?
- Eu queria ir com a minha mãe. Quer dizer.. É a última chance de despertar o espírito maternal nela.
- Claro. Eu entendo. – seu tom de voz era visivelmente chateado. Me senti a pior amiga do mundo. – Eu preparo um café reforçado pra você.
- Para Becky. Eu posso preparar algo pra comer.
- Mas eu sou a sua empregada.
- Pois então está demitida. – ela riu – Seja apenas minha amiga e cuide bem da Annie pra mim. – senti uma lágrima escorrer e eu a limpei depressa.
- Queria entender o que lhe aconteceu antes de eu chegar aqui. – Becky foi contratada para ser a minha "companheira" quando tudo havia acontecido. Minha mãe estava preocupada por eu ter começado a estudar em casa, e em vez de chegar até mim, teve a geniosa ideia de mandar outra pessoa, a Becky. Ela tinha dezessete anos, e eu quinze. E no fim, quem mais me ajudou foi a Annie.
- Desculpa Becky. Não posso.
- Esperarei você estar pronta.
- Envolve muita coisa.
- Está tudo bem. – eu não respondi – Durma bem e.. Boa viagem.
- Cuide bem da Annie.
- Certo. Cuide-se.
- Garnier.
- Para cachos rebeldes. – nós rimos e ela apenas subiu.

Eu não sou boa com despedidas. Não sou boa em consolar alguém. Na verdade eu ainda não encontrei algo em que eu possa dizer ser boa, pra ser sincera. Não sou boa em dizer em voz alta o que se passa em meu peito. Me sentia constrangida. Pior que isso só dormir no sofá – péssima comparação. Eu queria poder levar a Becky e a Annie. Durante os últimos anos elas foram as únicas que eu poderia chamar de família, e agora eu estaria deixando pra trás junto com o clima perfeito do Rio de Janeiro.

Meu celular havia assoviado – recebido SMS. Meio sonolenta eu o peguei. "número desconhecido". Franzi a testa desconfiada. "Não irá fugir de mim. Irei onde você for". Pânico, é o que traduz o que eu senti. Meu coração acelerou e eu senti que estava perdendo a respiração. Alguém estava atrás de mim? Quem? E por quê? O que eu havia feito pra merecer isso? Eram tantas perguntas que se formavam em minha cabeça e eu simplesmente não conseguia responder nenhuma. Meu estômago revirava, eu não conseguiria dormir nem tão cedo. Minha vista pesava e meu corpo suplicava por descanso, mas eu não conseguia tirar aquela mensagem da cabeça. O que eu iria fazer? Iria ficar sozinha em Londres. E se fosse um sequestrador  Mas.. Que tipo de sequestrador manda mensagens? Eram tantas perguntas.. Eu estava me sentindo naqueles filmes onde o lobo mau persegue sua presa durante todo o filme e somente no final ele é abocanhado. Mas o fato é: Eu sou o lobo ou a presa? Algo estava entalado em minha garganta. Não, não SeuNome, você não irá chorar. Engole isso. Mas.. Eu não sou corajosa o suficiente pra aturar isso. Não sou.. O que eu iria fazer? Chamar a Policia? Minha mãe? Será que ao menos uma vez ela iria se preocupar comigo? Tantas perguntas sem respostas.. O cansaço acabou me vencendo e eu simplesmente apaguei. 
Então gente, acho que com os comentários que eu li, preciso explicar algumas coisas. Primeiramente, eu gostaria de agradecer a todos que leram e estão me apoiando, isso é essencial pra mim. Segundo, sim. Eu postava em outro blog, e a fic era Tell Me a Lie, e não passou do terceiro capítulo. Agora está completamente modificada, já tenho até o capítulo seis pronto, e o sete está quase no final.Mas digam, o que acharam? Estão curiosos? Se preparem, a coisa tende a piorar. *-* (Estou me sentindo má, UHAEUHAEUAH) Ah. Meus gifs iniciais não tem nada a ver com a história, eu só coloco o que mais gosto, e como estou fissurada em Kiss you.. Pois é. Obrigada novamente. Até o próximo capítulo.
35

35 comentários:

  1. Parabens e contiinuaa pq estouu mega curiiosa para saber oq vai acontecer

    ResponderExcluir
  2. Qe perfeitoooo!continua pleaseeeeee, bju dudaa

    ResponderExcluir
  3. Parabenss continua to mto curiosa!! ><
    Biiah

    ResponderExcluir
  4. Tá muito lindo!!Perfeito mesmo, continua linda! Gabi!

    ResponderExcluir
  5. Voce escreve muitoooooooooooo bem! Parabens!
    Continua logo pf pf pf s2

    ResponderExcluir
  6. Curiosissima! Parabens, ta P E R F E I T A M E N T E bom, vc e má, vou ter um Heart Attack, kkkkkk

    ResponderExcluir
  7. Hahaha!!!ta muito boa!!

    -A

    ResponderExcluir
  8. HAAAAA to amando vc e d+ guria amei sua personalidade má !!!
    kkk
    bjokks
    paty s2

    ResponderExcluir
  9. Está demais
    Você escreve como uma escritora profissional!!!
    Continua bjss...

    ResponderExcluir
  10. Posta o outro capitulo logooo, to muito ansiosa, eu to amandoooo, vai postar hoje né ?? Ta muito perfeitoo :)

    ResponderExcluir
  11. Continua está deeeeeemais!:D

    ResponderExcluir
  12. Muitoooo perfeitoo por favor continue

    ResponderExcluir
  13. nossa está muito perfeito, continua!!!
    você poderia divulgar nosso blog?
    se puder o site é http://sonhedirectioners.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Pefeita, essa fic é perfeita!

    ResponderExcluir
  15. Que lindaaaaaaaaaaaaaaa, muito fofa e misteriosa!!!! Posta o próximo logoooooo!

    ResponderExcluir
  16. Estou amando essa fic!!!
    Tá perfeita...
    Tô ansiosa pelo próximo capítulo!!!
    Você escreve muito bem. Parabéns!!!
    Gostaria que você lesse o meu blog: http://sonhandocom1d.tumblr.com
    Beijoss...

    ResponderExcluir
  17. Pelo amor de Deus,continua amoore, tô mega curiosaaa ! *--* xx Dani

    ResponderExcluir
  18. NOSSA! OMG! RESUMO DISSO TUDO: DEMAIS, LEGAL, SURPREENDENTE.



    POR FAVOR FAZ O OUTRO CAPÍTULO!!!!!!!!!!


    TÔ MUITO CURIOSA!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  19. Eu to amando velh eu rir demais na hora q ela começo a pedir perdao antes de morre coitado do cahorro kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk ...ai Jesus continua! Please!
    By:Brenda O.

    ResponderExcluir
  20. muito bom por favor continuaaa!!!super curiosa pra ver quando ela ira coonhecer os gatinhos londrinos(rsrsrs)-tadinha de "mim" vou ficar longe da Rebeca e da Annie,mais vou ter uma otima oportunidade de ir pra Londres
    by:Duda

    ResponderExcluir
  21. ta demais flor! parabens! ... e continua pq to muito curuosa!!!! bjs

    bela

    ResponderExcluir
  22. CARACA....Mano Você é Minha Rainha Continua esta d+.

    ResponderExcluir
  23. Perfeitoooooooooo continuee*-*

    ResponderExcluir
  24. Perfeitoooooooooo continuee*-*

    ResponderExcluir
  25. ISSO TA PARECENDO PRETTY LITTLE LIARS

    ResponderExcluir
  26. nossa muito perfeitooooooo *-*

    ResponderExcluir
  27. nossa eu dorei ta muito ao sua fic parabens

    ResponderExcluir
  28. nossa eu adorei ta muito boa sua fic parabens!!!

    ResponderExcluir
  29. Essa e a que a Camila disse que era mais romântica??Eu amo romance,me indica uma de romance??!:)

    ResponderExcluir
  30. Amei, é otima

    ResponderExcluir
  31. perfeitoooooo to me imaginando na historia vei xx maria

    ResponderExcluir