Louis Tomlinson - Ao soar da meia noite..


O relógio marcava meia noite quando ele surgiu do meio do nada. E então tudo começou.. E terminou.. Confuso não é mesmo? Mas, quem foi que disse que um conto de fadas acaba ao soar da meia noite? Enganou-se se você também pensa assim. Não é uma regra. Há sempre uma exceção. O meu iniciou exatamente assim.. Com o soar dos sinos.. E assim também terminou. Porque estou começando pelo fim? Porque o final.. É o começo de tudo!
            Me chamo S/N e tenho vinte anos. Me chame de velha e terá seus dentes como enfeite de um dos meus abajus. Nasci e fui criada no Brasil e de nada me arrependo, exceto por me importar tanto com quem definitivamente não merece. Sim, estou falando do meu ex. Não é que eu o odeie, mas eu realmente ficaria feliz sem a existência dele. Apenas isso. Mudei-me para Inglaterra há duas semanas para fazer faculdade e desde então me sinto em uma geladeira. Estou amando, pra ser sincera, mas não poderia ser só um pouco menos frio? Finge que a frase fez sentido.
            “..com a chegada da noite o frio se intensificou. Mantenham-se agasalhados e não saiam de cada, há possibilidades de geada pela madrugada e t-”, eu havia desligado a televisão e o que ganhei em troca foi um olhar mortífero de minha mãe. Que foi? Eu não queria assistir aquilo. Não precisava um noticiário de quinta me dizer o que eu estava sentindo. Levei a mão até a boca e mandei um beijo irônico para minha mãe antes de ir para o quarto e voltar com um casaco.

[...]

- Mãe, pelo amor de Deus. Não é como se eu fosse sair para nunca mais voltar! – esbravecei andando pela casa com certa dificuldade, uma vez que eu tentava por um casaco enquanto alguém (vulgo minha mãe) forçava uma touca em minha cabeça e logo depois colocava luvas em mim. Odiava quando ela me tratava dessa forma.
- Não diga algo assim. Tudo pode acontecer em uma noite como essa.. – seu olhar era apreensivo e eu sabia que no fundo ela apenas queria o meu bem. Porém super proteção não era a melhor das hipóteses. Estou na faculdade. Sabe o quão constrangedor seria se algum dos meninos visse aquela cena?
- Eu só vou comprar um chá com leite, não arrumar um marido!
- Eu posso fazer pra você, não precisa sair.
- Você? Nem britânica você é.
- Eu poderia tentar.
- Não, não poderia. Você mal sabe fazer um arroz, sempre queima.
- Isso não quer dizer nada.
- Claro que quer, quer dizer que você é uma péssima cozinheira. – olhei-me no espelho e me senti como um pingüim. Porque minha mãe me tratava desse jeito? Era tão irritante. Será que ela não percebia que isso não era normal? Por Merlin.
- Não me diga isso Little Bee!
- Mãe! Não me chame assim!
- Vai começar a reclamar?
- Já disse que não gosto, mãe. Tenho vinte anos, não cinco.. – minha voz era manhosa. Estava cansada.
- Vinte? Desse tamanho?
- MÃE!
- Oras, se você tem vinte já deveria ter um namorado. - bufei e emburrei a cara enquanto ajeitava as luvas que ela havia me dado. Porque ela tornava tudo tão pior? Ela não podia considerar a hipótese de que eu ainda sofro por causa do meu ex?
- Vou arrumar um então! – Virei para sair, mas senti sua mão segurar meu pulso me fazendo recuar.
- Não faça isso! Não dê as costas pra mim!
- Só quero chá com leite, mas você não me deixa sair. Está ficando tarde!

            Ela me soltou e eu não pensei duas vezes antes me virar e sair batendo a porta com força. Ela me deixava tão irritada quando agia dessa forma. Ela não sabia o quão doloroso era falar sobre Josh? Porque ela insistia? Meus passos eram rápidos e descompassados. Hora ou outra eu me via se desequilibrando por estar andando tão depressa nem olhar para o chão. As ruas estavam tão cheias para o clima da noite. Olhei para o relógio e me espantei. 11:40 P.M. O que essas garotas estavam fazendo fora da cama numa hora dessas? Alguém andou fugindo de casa. Olha quem está falando, uma garota que sai de casa só porque discutiu com a mãe.
Andei cerca de duas quadras até encontrar uma lanchonete aberta. Finalmente. Estava começando a sentir meu estômago ranger. Como se um chá fosse aquietá-lo também. Respirei fundo e empurrei a porta entrando. Não havia tanta gente e eu agradeci mentalmente por isso. Talvez fosse a hora. Andei com calma até o balcão.
- Boa noite. – dizia uma mulher atrás de um caixa pequeno. Ela tinha um sorriso tão feliz, que eu me perguntava qual passarinho dourado ela tinha visto. – Em que posso lhe ajudar?
- Boa noite. Eu.. Quero um chá com leite. Por favor.
- Mais alguma coisa?
- Não, obrigada.
- Para qual mesa?
- Para a mesa.. – eu olhei em volta. O lugar estava vazio, porém havia pelo menos uma pessoa em cada mesa – Vou levar.
- Certeza? Não quer esperar?
- Não. Vou realmente levar.
- Ok, são 9.85£

[...]

Quando eu deixei a lanchonete estava com a pequena impressão de que esqueci algo. Era estranho, meu bolso estava relativamente mais leve. Não é possível que dez libras pesassem tanto assim para fazer essa diferença toda. Sinceramente? Estou com preguiça de voltar. Até porque, queria chegar à London Eye enquanto o chá ainda estivesse quente. Sou a pior turista da face da terra. Estou aqui há duas semanas e ainda não visitei NENHUM ponto turístico. Que vergonha!
            Londres era tão grande, havia tantas ruas. Mas porque essa pessoa cismava de me seguir? Ele – ou ela – me acompanhava desde a lanchonete. Eu não ousei me virar para ver quem era, apenas comecei a andar mais depressa. Podia ouvir a pessoa gargalhar abafado. Devia estar com a mão na boca. Abaixei o olhar observando o relógio e na mesma hora os 11:59 se tornaram 12:00 A.M. Minha mãe costumava dizer que isso causava sorte mas.. Sempre teve um poste ali? Ouvi alguém gritar “cuidado” e quando ergui a cabeça dei de frente com um poste caindo para trás. Tudo girava e eu não ousei me mexer.
- EI! – alguém gritou e logo vi um rosto aparecer diante os meus olhos – Você está bem?
- AI! – levei a mão até a cabeça – Sempre teve um poste ali?
- Nem existem postes em Londres. Era uma placa.
- Uma placa que me matou.
- Está bem? – ele ria ao me encarar curioso. Porque estou com a sensação de que conheço aquela voz? Se ao menos eu não estivesse tão tonta. Sentei-me com a mão na cabeça e o olhei. Ele estava abaixado na frente olhando para minha testa – Puxa, que galo feio ficou ai.
- Eu morri? Estou no céu? – Perguntei quando dois lindos olhos azuis me encararam. Quanta perfeição para apenas uma pessoa. Eu estava paralisada, era impossível me mexer diante àquilo. O dono deles me olhava curioso, como se tentava descobrir do que eu estava falando.
- Não.. – ele ria escandalosamente – Ainda não morreu.. – Ele sorria. Que sorriso lindo. Mas.. Aquela voz.. Porque ela desesperava meu coração dessa forma? Quem ele era? Porque essa sensação de que o conheço me perturba?
- Mas estou vendo anjos.. – Ok, eu devia ter pensado antes de ter dito aquilo porque ele começou a rir mais alto.
- Estou lisonjeado. Mas vem, levanta do chão! – Aquela voz me fazia querer sorrir. O vi se levantar e erguer a mão pra mim. Eu a segurei e uma onde de calor invadiu meu corpo como se eu estivesse predestinada a conhecê-lo. Com apenas um puxão ele me levantou e eu olhei para minha roupa.
- Agora fiquei sem chá.
- Que desperdício.. – ele tinha uma voz tão dramática que me forçou a olhá-lo. Ele era tão perfeito. Aqueles olhos azuis estavam me enfeitiçando. Ele era.. Ele era.. ELE ERA LOUIS TOMLINSON! Fechei meus olhos e comecei a dar leves tapas na testa.
- Estou vendo Louis Tomlinson. Eu morri. Ai! Eu morri. Ai!
- Não morreu ainda, mas se ficar se jogando em placas, certamente chega lá. – eu acabei rindo mais alto do que pretendia e ele apenas sorriu pra mim. – Acho que você precisa de outro chá. – Louis me olhou de baixo à cima até que seu olhar tornou a se encontrar com o meu. Um sorriso bobo brincava em seus lábios e eu confesso que estava ficando cada vez mais constrangida.
- Ao menos eu me esquentei com ele. Literalmente.
- Sempre há um lado bom. – ele ria escandalosamente. Por mais de um ano eu ouvia aquela risada através de vídeos, e agora eu estava ouvindo pessoalmente. Aquilo estava me deixando tão eufórica, que eu tinha vontade de voar no pescoço dele.
- Sempre? Porque eu não vi o lado bom de você me perseguir? A não ser que o banho de chá seja considerado.
- Huh? Eu não estava lhe perseguindo. Eu só estava.. OH! É mesmo. Eu estava te seguindo. Mas porque você deixou seu celular cair na frente da lanchonete.
- O QUÊ? – automaticamente levei as mãos até os bolsos e arregalei os olhos – Droga! Sabia que estavam vazios demais!
- Devo dizer que gostei da tela de bloqueio. Ele levou a mão até o bolso e me mostrou meu celular. Era uma foto dele. Ele começou a rir.

- Não tem graça, poxa.
- Tem sim. Vocês sempre ficam sem graça.
- Tá. Agora me devolve! – eu estendi o braço, mas ele recuou balançando a cabeça negativamente. Sua expressão era de menino arteiro e eu realmente estava derretida. Respirei fundo tentando me acalmar. Ele apenas ria enquanto mexia. Isso era invasão de privacidade. – Louis William Tomlinson, devolva o meu celular agora!
- Ainda não. – ele começou a andar e eu o acompanhei do lado. Estava mexendo em tudo. Como Louis era curioso. Ele via as fotos, mensagens, vídeos, músicas, contatos.. – Aaaahhh! Olha isso. Você é uma directioner!!!! – ele parecia feliz. Juro que se tivesse um buraco no chão, eu enfiaria a cabeça nele agora mesmo – Não entendo essas mensagens..
- É porque são português.
- Então você é do Brasil. Certo?
- Certo. Devolve isso Louis. – eu estiquei o braço, mas ele esticou o braço direito me impedindo de chegar mais perto. Aquele toque.. Tão macio.. Porque eu ficava tão arrepiada ficando próxima a ele?
- E o que tem de bom no Brasil?
- Brasileiros.
- Nossa, que engraçadinha você.
- Nasci assim. Devolve Boo Bear.. – eu usei a voz mais manhosa possível e ele virou ficando de frente pra mim.
- Fica fofo na sua voz.. – ele andava de costas me encarando – Mas ainda não devolvo!
- Louis!! – reclamei ao ouvir o barulho de mensagem recebida, então ele se virou para frente. Andei mais rápido, ficando ao lado. – Não leia né!
- Já era.. Quem é Little Bee? - ele perguntou rindo e eu emburrei a cara - Ohhhhh!!! É você!!!!
- Minha mãe me chama assim e eu não gosto.
- Ok então Little Bee. Qual seu nome?
- S/N.
- Bonito nome Little Bee. - eu acabei rindo e ele apenas sorriu. dávamos passos lento enquanto ele digitava alguma coisa no próprio celular e conferia no meu.
- O que está fazendo? - franzi o cenho curiosa. Inclinei-me para olhar, porém ele fechou rápidamente.
- Nada - ele respondeu depressa - Apenas fuxicvando.
- Sei..
- Olha quantas fotos do Harry.. - ele falou rindo e eu arregalei os olhos - Ele iria se sentir mais importante que todo mundo se visse isso.
- Paaaaaaraaaa Looooouisssss!!!!
- Calma. Agora chegou a melhor parte. Minhas fotos.
- Não! Devolve! - falei e ele parou de andar.
- Porque tem tanta foto minha com o H-
- Não importa! - eu tomei o celular da mão dele e guardei no bolso. Ele tinha a mão na barriga, rindo. Mas não podia descobrir que eu achava Larry fofo.
- Olha quem fala! - eu comecei a andar na direção contrária. Não estava com raiva, estava apenas envergonhada. Podia ouvir ele me seguindo e assim ficamos por algum tempo, até que ele finalmente segurou meu pulso, fazendo com que eu o olhasse - Que foi?
- Deixa eu te pagar outro chá?
- E.. Porque faria isso?
- Porque você foi a única pessoa que me tratou como apenas um morador de Londres.
- Outro dia ok? Não posso agora. - olhei para o relógio desesperada. 03:20 A.M.
- Mas são apenas cinco minutos até ficar pronto.
- Outro dia. Eu preciso ir para casa. Minha mãe acaba de me enviar a décima sexta mensagem. Estou com problemas.
- É rápido. Eu prometo!
- Vou ter que ouvir uma senhora palestra.
- Vai realmente recusar um chá para Louis Tomlinson? - eu sabia o quanto ele gostava de chá, e tomar um ao lado dele tornaria tudo mais especial. Eu respirei fundo e minha expressão mudou para chateada.
- Não use isso contra mim..
- Que tipo de fã é você para negar isso ao próprio ídolo?
- Aquela que tem medo da mãe, Louis. - ele deu uma risada super alta e tentou se concentrar.
- Vai realmente ficar me devendo? Sou um péssimo cobrador.
- Será uma ótima desculpa para vê-lo novamente. - ele concordou com a cabeça enquanto exibia um belo sorriso. Eu sentia minhas bochechas queimando.
- Só porque eu gostei da resposta. - ele ia se virar mas eu o segurei
- Espera. Como vou te encontrar?
- Oras. Sou Louis Tomlinson. Irá me achar!
            E então ele me deixou ali.. Sozinha. Eu estava tão feliz, mas ao mesmo tempo tão confusa. Quem diria que tudo isso seria possível a uma hora dessas? Peguei meu caminho de volta. Meus passos eram lentos. Minha mente estava longe.. Aquele sorriso.. Aquela voz.. Eu não conseguia tirá-lo da cabeça. Senti meu celular vibrar e revirei os olhos. Provavelmente outra mensagem da minha mãe. Mas.. Não era. Olhei novamente e estava "Louis Tomlinson". Mas.. Desde quando eu tinha ele na agenda Ou melhor.. Desde quando ele tinha o meu número? 
Eu revirei os olhos, mas não conseguia deixar de sorrir. Porque ele estava fazendo isso comigo? Ele deve estar pensando que sou algum tipo de bruxa, não é mesmo? Aquelas com bolas de cristais e poções mágicas. Mas eu sorria.. Beijos e abraços.. Droga! O que ele queria? Me deixar maluca? Guardei o celular e entrei em casa.
            Aquela noite eu ouvi uma palestra de quase uma hora da minha mãe, mas ouvi sorrindo. O que fez ela falar ainda mais, é claro. Eu definitivamente não me importava. Não estava prestando atenção. Nem se quer ouvia a voz dela. Meus pensamentos vagavam pelas ruas de Londres até encontrar Louis Tomlinson. Apenas isso..

[...]

            Estava tudo deserto quando eu sai de casa. Aquilo começava a virar um chato costume, caminhar pela noite. Mas.. Aquela sensação de liberdade era sem igual. Eu andava tranquilamente com as mãos no bolso do casaco enquanto a London Eye se aproximava aos poucos. Dessa vez eu prometo que vou conseguir chegar até lá, e não há Louis no mundo suficiente para me impedir isso.
            Abaixei a cabeça para olhar o relógio e no momento em que olhei os 11:59 viraram 12:00 A.M. Me ocorreu uma estranha sensação de dejavu. Era estranho. Tenho certeza que aquilo já tinha acontecido. Levantei a cabeça e alguém havia dado de frente comigo, fazendo com que tanto eu, como ele fossemos ao chão.
- Alguém anotou a placa? - ele tinha uma voz abafada enquanto rolava no chão com a mão na barriga. Eu conhecia aquela voz. Tenho certeza. Meu coração disparou me deixando nervosa e meu estomago se revirou por inteiro. Sentei-me com a mão na cabeça e o olhei.
- Louis?
- Little Bee? - ele perguntou ao se sentar e me olhar. Confesso que nunca gostei tanto de ouvir aquele apelido. Um sorriso surgiu em seu rosto e eu sabia que eu retribuía.

            E quem foi que disse que tudo acaba com o soar da meia noite? Enganou-se. Pois a minha vida.. Tinha apenas começado!

26

26 comentários:

  1. perfeito, vai ter continuaçao?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. TEM QUE TER CONTINUAÇÃO, MEU, SÉRIO, MT PERFEITO

      Excluir
  2. Eu quero continuaaaaação, quem quiser tbm, respondee u_U mt pftoo

    ResponderExcluir
  3. Ah eu amei esse imagine!!!!!
    Mto bom!!!!!!!
    Qro maissssss!
    Annah C.

    ResponderExcluir
  4. Amei a foto do louis.... Mais nao achei pra baixa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. qual das duas amor ?? pergunta lá no ask que eu te envio xx

      Excluir
  5. Perfeito demais!!! Continua?? (se tiver continuação!!)

    ResponderExcluir
  6. Eu amei
    faz continuação please :3

    ResponderExcluir
  7. amei quero continuação em, e se não for muito incomodo vc poderia ver meu blog http://www.iwantimagine1d.blogspot.com.br/, e ver o que acha e se puder divulgar,obrigada e quero muiitooooo continuação

    ResponderExcluir
  8. desculpa, mais eu não gosto dos seus imagines, nunca tem final, isso é tediante, e vc não faz continuação. sorryyy mais e a minha opiniao

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o bom do imagine é justamente esse , não ter fim , dar permissão para quem lê imaginar como seria o final. não é bom ficar preso em ilusão , é ?? você pode imaginar o final dos meus mines , mas bom .. se não gosta .. desculpe também , mas é assim que eu os vejo xx

      Excluir
  9. Como você fez aquelas mensagens no Iphone?

    ResponderExcluir
  10. Onde vc editou Aline ? xx Te adoro !

    ResponderExcluir
  11. Quee massa,queria eu que todas as historias de amor fossem assim,eu conheceria o meu Boo Bear e seria feliz pra sempre

    ResponderExcluir
  12. Continuaaaa por favor tah muito perfect!!!

    ResponderExcluir
  13. continua pleaseee

    ResponderExcluir
  14. Quando vc vai continuar??? ta tao perfect tao vida pelo amor d deus continua
    #VickPayne

    ResponderExcluir
  15. NUUUUUUUU meu Deus!!!!!! PFTO

    ResponderExcluir
  16. O imagine MAAIS LIINDOO que já li :3

    ResponderExcluir