I'm Here For You - Capítulo 25


Having a flash back

POV ZAYN

- Zayn! Zayn! Zayn, acorda pelo amor de Deus.
         Alguém me gritava. Pra ser sincero, alguém me sacudia freneticamente. Eu desejava que ele parasse.. Estava doendo. Minha cabeça latejava de tal forma que eu não conseguia se quer abrir os olhos. O que estava acontecendo? Porque as pessoas estavam gritando? Eu estava confuso. Não conseguia entender nada. Alguém me arrastava e eu queria que não fizesse. Estava doendo demais. Eu sentia meu corpo inteiro latejar. Que dor agonizante!
- Pare.. - minha voz saiu baixo. Acho que ele não tinha ouvido porque continuava me puxando - Pare.. - repeti baixo - Me deixe aqui.. Dói demais..
- Não posso, Zayn. Aguente firme. Por favor..
- Não consigo..

         Aguentar firme? Estava difícil manter os olhos abertos, como eu iria aguentar firme? Eu estava ficando com sono. Eu queria dormir. Mas eu sabia.. Eu sabia que não era apenas sono. Estou com medo. E se eu dormir e nunca mais vê-la? Seu sorriso veio como uma imagem diante à meus olhos e eu levei a mão até a cabeça. Senti minha mão ficar úmida e a dor aumentar. As lágrimas escorriam por meu rosto enquanto eu fazia força para não dormir. E se eu nunca mais sentir o abraço dela? Eu vou embora sem tê-la comigo? NÃO! Não posso ir embora sem antes lhe fazer uma pergunta. Não posso! Tudo bem, me conformo em ir, mas apenas peço uma chance de dizer algo à ela. Por favor.. Eu não posso ir embora antes..

- Zayn..
                Alguém me chamou, mas eu fechei os olhos. O cansaço era mais forte que eu.
- Louis? - falei com dificuldade - Cuida.. Cuida dela.. Pra mim?
- Cala a boca! Você não vai morrer! Os médicos estão vindo!
- Não.. E-eu.. E-eu não.. Não aguento Boo Bear..
- Para Zayn.. - Ele chorava muito. Eu não entendia. Eu só iria dormir, não é?
- Estou ficando com sono..
- Resista! Você sempre foi forte!
- Louis.. Diz pra ela.. Vai atrás dela..Diz pra ela que eu a amo.. - falava com dificuldade - Faz isso pra mim.. Per-pergunta.. pergunta se ela quer ser.. ser.. minha namorada.. e.. minha.. minha esposa.. - só tive tempo o suficiente para lhe entregar a pulseira que eu estava usando. Então eu sorri. Sorri por ser com ele o meu último suspiro. Um alguém especial pra mim. Então.. apenas dormi.
- ZAAAYNNNNN !!!!!!


POV Seu Nome

- NÃO!

         Gritei acordando assustada. Meu coração estava acelerado e apertado. Eu estava soando frio e uma angustia batia em meu peito. Minha respiração estava rápida demais, não conseguia respirar direito. Eu chorava e não entendia o porquê. Eu queria gritar. Queria correr. Queria sumir. Minha respiração ficou ainda mais difícil e eu olhei em volta. Onde eu estava? Parecia uma espécie de.. Galpão? Estava escuro. Minhas mãos e minhas pernas estavam amarradas. O que está acontecendo? Eu precisava sair dali. Mas eu não entendia.. Como eu tinha ido parar ali? Que eu me lembre.. Eu estava na festa do Liam, não estava? Como.. O que estava acontecendo? E como num lampejo uma cena veio à minha mente.

- FlashBack On -
         As luzes se apagaram e então eu sabia que havia chegado a hora. Os meninos entraram no palco e eu apenas sorria. Apesar de Zayn não estar tão animado, aquilo era o sonho dele, e não só como 'namorada', mas também como fã.. Eu estava orgulhosa. Seu olhar estava em minha direção. Podia ver a aflição através daquele brilho intenso. Apenas sorri e pronunciei um silencioso "eu te amo" que eu tenho certeza que ele entendeu, uma vez que balançou a cabeça negativamente enquanto ria. Senti alguém por a mão no meu ombro e sorri.

- Mas já voltou, Sophia? O banheiro fica do nosso lado?
- Sophia?
                Ouvi uma voz bem rouca e então me virei.
- Você..
- Sentiu minha falta?
- Como você.. Como..
- Como funcionam aquelas coisas? Oh. BUU!
- Não.. não é.. Não é..
- Oh, você pode completar suas frases? - ele ria.
- Você tá morto..
- Pareço morto pra você?
         Eu comecei a dar passos para trás até que ele segurou meu pulso.
- Me solta!
- Não, preciso ter um papo sossegado com você. - ele me arrastava.
- Me solta! Me solta por favor! - falava enquanto lágrimas rolavam por meu rosto.
- Cala a boca garota!
- ZAAAAAAAAAAAAAAYNNNNNNNNNNNNNN!! - gritei antes de levar um tapa no rosto.
- O quê? Que droga você está fazendo?!
         Senti um cheiro forte invadir minhas narinas e minha cabeça começou a latejar. Minha vista começou a escurecer e então eu apaguei.
- FlashBackOff -

         Eu engoli a seco ao observar uma silhueta no escuro, mas agora eu sabia quem era - apesar do rosto estar bem modificado. Era ele, o meu pesadelo. O morto que voltou para se vingar. O meu passado estava de volta. O meu erro veio cobrar as contas.

- Finalmente acordou. - ouvi sua voz rouca enquanto andava nervoso de um lado para o outro - Já estava ficando preocupado.
         Preocupado? Que irônia.
- Richard? Não. - falei fechando os olhos - Morto! Você está morto! Morto! - repetia milhares de vezes, como se tentasse convencer a mim mesma de que estava vendo coisas onde não existia.
- Pareço morto? - ele perguntou sem paciência.
- Morto.. Morto.. Você está morto! - repeti chorando.
- Cale a boca, estou bem aqui!
- Não! Não pode ser!
- Oras, já chega! - senti um tapa em meu rosto. Queimava. Engoli o grito e comecei um choro silencioso - Melhorou.. - andava à minha volta - Me diz.. Como ficou tão bonita assim? - ele mexchia em um fio do meu cabelo. Eu apenas chorava. - O cantorzinho teve sorte não é? Mas isso vai mudar..
- DEIXA ELE EM PAZ!
- Não mudou nada. - ele ria - Continua se preocupando com a pessoa errada.
- Cala a boca! Você não o conhece!
- Ah não? Zain Javadd Malik. É filho de muçulmano, nasceu em Bradford. Tem três irmãs nojentas. Não é?. Envolveu-se em brigas escolares durante quase toda sua vida. Fumante. Viciado em bebidas é o badboy da one direction. Terminou com Perriie por causa de uma fã que será sua nova vítima.
- Qualquer site tem isso.
- E é claro que eu poderia achar em qualquer site que Zayn tentou ficar com você em um elevador, não é?
- O QUE VOCÊ FEZ COM ELE?
- Eu? Eu nada. - ele ria.
- O QUE VOCÊ FEZ?
- Eu me pergunto o que aconteceria com seu namoradinho se ele dirigisse um carro sem freio.
- O QUE VOCÊ FEZ?
- Digamos que eu tenha mexido no carro dos amiguinhos dele..

         Eu comecei a tremer. Já não continha as lágrimas. Aquele aperto e angustia em meu peito não podia significar outra coisa. Comecei uma série de soluços em meio ao choro, que explicava o meu desespero. Minha mente trabalhava em me mostrar imagens de Zayn sofrendo e morrendo. Não! Era mentira! Zayn estava bem. Ele estava mentindo. Mas.. porque mentiria? Minha respiração estava acelerada. Eu não conseguia respirar direito, havia algo entalado em minha garganta. Um medo de perdê-lo me envolveu e eu comecei a soar frio. Não. Eu não posso perdê-lo justo agora que as coisas iriam se acertar. Não é justo. Senti uma mão tocar meu ombro e eu o sacudi.

- NÃO ME TOCA!
- Olha, isso não vai te levar a lugar nenhum.
- Me deixe em paz.. - sentia as lágrimas escorrerem por meu rosto.
- Como é deprimente ver uma mulher chorando. - ele falava irônico. /parei aqui
- O que você quer de mim? - minha voz era cansada.
- Que sofra o que sofri. Ser internado como louco sem identidade!
- A culpa não é minha!
- Ah não?! Você se lembra Seu nome? Você se lembra do que aconteceu naquela noite?

- FlashBack On -
         Há três anos atrás..
         Fazia cinco minutos que eu estava ali, parada diante ao espelho. Jamais em toda a minha vida eu podia me imaginar vestida dessa maneira. (http://www.polyvore.com/party/set?id=91301446). Eu estava tão elegante.. Estava tão bonita.. Era a primeira vez que eu havia me sentido realmente interessante. Mas.. Não era eu. Não era meu gosto. Nunca fui do tipo de menina que usava saltos altos até mesmo para ir à padaria, nunca usei maquiagem, ou vestidos. Preferia meu velho all star com uma calça jeans rasgada na altura dos joelhos e uma boina. Porém hoje valeria à pena um sacrifício como esse. Matt - meu amigo e aniversariante - ficaria realmente orgulhoso de mim.

- Você está linda!
         Virei e encontrei minha mãe me encarando com uma possível cara de choro.
- Ah, obrigada. Eu acho.
- Parece uma princesa.
- Para mãe. - resmunguei.
- Só estou orgulhosa.
- Oh. Não. Por favor.
- Sério. Deveria se vestir assim mais vezes.
- Só que isso não sou eu, né mãe? E me diz como vocês conseguem mexer o pé com isso.. - apontei para a sandália.
- É apenas falta de costume, meu anjo. - dizia mexendo em meus cabelos.
- Mãe - falei rindo e a empurrando -, pare com isso.
- Seus cachos são realmente lindos.
- Deixe disso, eles sempre estiveram aqui.
- Escondidos naquela boina idiota.
- Pare com isso, por favor.
- Filha..

         E pelo tom de voz não é coisa boa. - pensei.

- Sim, mãe?
- Promete pra mim que irá tomar muito cuidado com Richard?
- Vai começar?
- Sou sua mãe, tenho direito de falar o que lhe faz mal.
- Eu o amo mãe, como isso pode me fazer mal?
- Ele não te ama. Não percebe?
- Não percebe que está sendo inconveniente? - dizia ao sair do quarto.
- Seu Nome não dê as costas pra mim!
- O que? - virei quando cheguei ao corredor - Vai me impedir de andar também?
- Para com isso, estou falando para o seu bem.
- Mãe ele é meu namorado. NUNCA faria nada contra mim.
- Só toma cuidado, você n-
- PARA MÃE! - gritei ao descer as escadas e andar até a porta. Porém antes que eu pudesse abri-la senti segurar meu pulso.
- Não sabe o erro que está cometendo.
- Que erro? Indo à festa do meu melhor amigo?
- Não. O Richard, ele é-
- Um inconseqüente. - a interrompi em um tom irônico - Já conheço todo o seu discurso.
- Não e-
- Mãe, estou atrasada.

         Dá pra acreditar que minha mãe ainda reclama de Richard? Às vezes penso que ela faz de propósito, ele nunca fez nada. Não entendo porque ela insiste em querer me ver longe. Ela não queria me ver feliz? Eu não entendia.. A festa não era longe, mas os sapatos incomodavam. Porque tive que por isso nos pés? Que dor! Não sei como agüentam. Prefiro andar descalças a me submeter a isso. Manquei até o salão e estão acabei esquecendo. Estava lotado. Perdi cerca de uma hora para encontrar alguém. Ou melhor, para alguém me encontrar. Senti alguém segurar minha mão e me puxar pro estacionamento. Meu sorriso cresceu ao perceber que era Richard. Sem falar nada me encostou em seu carro pressionando seu corpo contra o meu. Mordia meu pescoço à medida que sua mão apertava minha cintura. Eu queria realmente prosseguir, mas além de não poder ele fedia a bebida.

- Rich.. - levava minhas mãos em seu peito tentando o empurrar - Não..
- Shh.. - sua mão percorreu todo meu corpo até repousar em minha bunda.
- RICHARD! - puxei sua mão.
- Tá tudo bem. - ele sussurrou antes de selar nossos lábios. Vodka. Eu senti um forte gosto de vodka, então o empurrei me afastando.
- Para!
- Qual o problema de beijar a minha namorada?
- Você está bêbado!
- Que isso gata.
- Não me chama de gata! - me afastei na intenção de voltar para festa, mas ele me puxou.
- Escolha errada gatinha. - passou a mão em volta do meu corpo me forçando a ficar perto.
- Para Richard. Me solta.
- Não.. - sussurrava ao morder meu pescoço - Tão sexy..
- Me solta! - tentava o empurrar, mas parecia em vão.
- Só uma diversão.
- Não sou brinquedo.
- É sim. É o meu brinquedo.

         Talvez eu devesse ter escutado minha mãe. Talvez esse fosse o meu castigo por não tê-la ouvido. Richard abriu a porta de trás do carro e me empurrou, se deitando sobre mim. Sua mão percorria meu corpo e agora eu sentia nojo. Eu me batia, gritava, mas não havia ninguém ali. Senti a primeira lágrima escorrer por meu rosto e então alguém o puxou para fora do carro.

- O que pensa que está fazendo?
- Não se mete, fedelho!
- Sou muito mais homem que você!
- Ah, quer dar uma de macho agora, Matt?!
- Você não passa de um alcoólatra.
- Mas um alcoólatra que te mataria!
- Mal consegue se aguentar em pé. Sai daqui! Deixe-a em paz.
- Não se meta comigo!
         Richard tentou - em vão - agredir Matt, porém seus reflexos estavam afetados por conta da bebida. Este por sua vez precisou apenas de dois socos e empurrá-lo para derrubá-lo no chão. Há quanto tempo a festa estava rolando? Rich parecia ter bebido por cinco noites em apenas.. Algumas horas?
- Vem. - Matt estendeu a mão e me levantou - Está bem?
- Uhum.
- Tem certeza?
- Absoluta.
- O que fazia nesse lado?
- Ele.. Ele me trouxe.
- Caramba Seu Nome, quando vai entender que ele não lhe quer como eu?
- Para Matt..
- Olha pra ele. - apontou para Rich largado no chão - Jamais te tratará da forma como eu trataria.
- Para! Você sabe que é ele que eu amo.
- Como pode amar alguém que te trata assim?
- Não sei.. - abaixei a cabeça.
- Me deixa te fazer feliz.
- E-

         Alguém havia me puxado me interrompendo. Richard estava novamente de pé e agora me arrastava para o carro, onde me jogou trancando a porta. Eu não queria ir. Queria sair. Queria ir para o mais longe possível. Mas não dava. Era tarde demais. Estava pagando pela minha ignorância. Estava recebendo o castigo por não ter escutado aqueles que realmente me amavam. Richard dirigia com um olho roxo e o nariz sangrando. Deixou o estacionamento em alta velocidade e eu confesso estar apavorada. Meu coração tamborilava em meu peito enquanto lágrimas escorriam por meu rosto.

         Richard aumentou a velocidade para 140/km e bufou irritado ele fazia cada vez mais força no acelerador na esperança do carro ir mais rápido, por medo eu prendi minhas mãos no banco do carro sentindo que aquele dia meu coração pularia da boca, ele murmurava algo enquanto seus olhos estava vidrados na rua e as mãos fixas no volante, eu mau conseguia me movimentar, estava indo muito rápido, se estivesse animada com aquilo, até poderia falar que estava no brinquedo mais rápido e que me dava mais medo em um parque de diversão. Escorreguei pro lado quando Richard virou a esquina da rua de sua casa sem ao menos botar seus pés perto do freio, quase bati meu roto no para-brisa quando ele acelerou ainda mais, me perguntava como ele conseguia estar tão confiante para dirigir tão rápido assim.

- Você tem que ser minha. -aumentou a sua voz, parecia falar para ele mesmo- SeuNome, você é minha... só minha, entendeu? -ele me olhou por vez e apertou com força seu pé no acelerador- MINHA. -seu grito não saiu por completo por o meu grito o interromper, Richard freou mas o carro já tinha acertado com força a pessoa que estava atravessando a rua, o impacto foi tão forte que até eu me machuquei quando ele freou
- O que você fez? -olhei em seu rosto, a expressão dele era de espanto, virei para o lado e abri a porta, desci do carro e assim que pisei no chão, senti todo o meu corpo tremer, suspirei fundo e caminhei até a frente do carro, o meu tremor não parou aumentou ainda mais quando vi quem estava praticamente debaixo do carro, senti como se meu corpo enfraquecesse e não dava mais para segurar as lágrimas, coloquei a mão sobre o rosto e comecei a chorar alto- Não acredito... Richard? -minha voz saio por meio fio enquanto eu caminhava para atrás com medo e totalmente assustada com o que via.
- ENTRA DENTRO DO CARRO SEUNOME. -ele gritou e eu não tive reação nenhuma, hora tentava abaixar e ir de encontro com a menina hora eu queria correr e pedir socorro, hora eu queria apenas me jogar ali e continuar chorando ate toda a água do meu corpo secar.- ENTRA LOGO. - Não, eu não posso... -minha voz saiu tão trêmula que eu voltei a chorar, foi como se eu tivesse caído na realidade mau conseguia me mover. O que via tinha abalado todo o meu corpo que agora mau conseguia senti-lo. Missy, a minha melhor amiga. Eu não poderia viver a realidade, tudo estava errado, esse não é o final feliz que eu quero para a minha vida.- Missy. -sussurrei suas palavras como se ela fosse levantar, senti o vento soprar ao meu ouvido como se fosse ela falando que tudo ficaria bem como ela sempre disse. Fechei meus olhos enquanto as lágrimas forçavam escorrer pelo meu rosto. Senti um impacto sobre o meu corpo, abri os olhos e o Richard havia me pegado pelo colo, tentei me debater mas ele estava mais agressivo, me jogou no banco do carro e eu bati meu braço no freio de mão, gemi baixo e me sentei direito no carro, tentei abrir a porta mas Richard já estava dentro do carro e já havia trancado a porta e janela- ME DEIXA SAIR, ELA É A MINHA AMIGA.
- CALA A BOCA! -ele gritou bem alto e eu me encolhi por medo no banco, segurei o choro e prendi a mão no banco novamente enquanto ele dirigia mais rápido.- Se você contar pra alguém eu acabo... -ele respirou fundo e tentava me olhar- Eu não quis matar ela, não quis.
- ELA NÃO MORREU! VOLTA LÁ E AJUDA ELA... POR FAVOR RICHARD.
- Não enquanto eu não mudar de carro. -falou calmo
- MEU DEUS RICHARD, VOLTA AGORA.. DIMINUI ESSA VELOCIDADE, SE CONTINUARMOS ASSIM, VAMOS MORRER. -gritei desesperada
-Não importo mais com isso, o que fomos fazer a partir de agora vamos fazer juntos, somente eu e você. Porque eu te amo, e você foi feita pra mim.
- Não Richard, entenda... não. -balancei a cabeça negativamente- Volta lá, por favor... ajuda minha amiga. -continuava chorando, só que agora tentava ser calma.
- Não vamos voltar... você não entendeu? Ela morreu. MORREU SEUNOME. JÁ ERA.
- Como você pode falar assim? EU TE ODEIO, TE ODEIO TANTO. -comecei a chutar e dar tapas nele para descontar a minha raiva, ele tentava me segurar mas eu perdi meu controle estava sendo outra pessoa, continuei dando vários tapas nele, e ele me empurrou com força até que bati minhas costas no vidro do carro.
- Para com isso, podemos morrer.
- QUE MORREMOS... QUE MORREMOS EU E VOCÊ JUNTOS... EU QUERO QUE VOCÊ MORRA. -eu mal sabia o que estava falando, ainda estava encostada no banco estiquei minha perna e dei outro chute no Richard o que acabou acertando o braço dele, ele levantou a mão e tentou dar um soco em mim o que acabou acertando o banco foi o que me iniciou a dar outro chute enquanto ele gritava para parar, acertei o chute no volante e o Richard fez uma careta e eu tentei levantar mas mau pisquei e senti o carro começar a dar leves pulos do chão, cai em baixo do banco enquanto as mãos do Richard estava no volante e o pé dele no freio, eu segurava o cinto com força, sabia o que o carro estava caindo, meu choro agora era mais alto enquanto eu já tinha em mente que ia morrer, o carro deu um impacto e eu ouvi o barulho de vidros se quebrando e o Richard ser arremessado pelo mesmo já que não usava cinto, o último “pulo” do carro fez com que eu batesse minha cabeça no chão do carro e eu fechar meus olhos não sentindo mais nada...

[…]

         Abri meus olhos devagar e sentir uma dor escorrer pelo meu corpo, eu estava deitada no banco do carro completamente caído para baixo. Pensei ter sido um pesadelo, tentei levantar mas meu ombro doía e acabei batendo a cabeça no carro e cai de volta pro carro, gemi e olhei pro lado encontrando meu lado completamente vazio, minha cabeça doía muito forte, minhas pernas reclamavam de dor, queria ficar ali, se eu pudesse ficava ali pra sempre, meu ombro doía muito, não tinha forças nem para chorar mais, fechei meus olhos e comecei a imaginar o que tinha acontecido e a me lembrar de tudo que aconteceu, comecei a chorar de novo, mas eu não poderia ficar ali chorando, eu tinha que fazer algo, com o meu braço que não estava doendo forcei a porta do carro e tendei abrir o que não deu certo, o carro estava de ponta cabeça, era visível, me virei do outro lado do carro e comecei a mexer nos botões que piscavam lá na frente, abaixei o vidro de trás, abaixei o outro vidro e finalmente abaixei o vidro da janela do meu lado, me arrastei tentando sair, enquanto meu ombro incomodava. Consegui por fim me arrastar pra fora do carro, me sentei e tirei aqueles dois enormes saltos do meu pé e joguei longe querendo quebrar aquela merda na cabeça de alguém. Levantei com dificuldade e quando finalmente fiquei em pé, senti a minha perna doer, olhei para a baixo e ela sangrava, gemi baixo e comecei a andar em volta do carro que estava totalmente destruído, minha cabeça latejava o resto do meu corpo acompanhava o seu ritmo. Cheguei em frente do carro e não encontrei o Richard, olhei para a frente e tinha um pequeno lago ali, era pequeno de largura, mas ia um pouco longe, caminhei até a ponta até que algo me chamou a atenção, tinha alguma coisa flutuando, mas a Lua estava do lado oposto de onde estávamos mal conseguia iluminação para ver o que estava acontecendo, andei para atrás e tropecei no meu próprio pé e cai no chão batendo com tudo o ombro no chão e então gritei de dor, não tava sendo fácil, aquilo me incomodava muito, meu pé começou a formigar e eu me deitei no meio daquelas pequenas gramas, querendo desistir de tudo e ser vencida pela dor. Escutei barulhos de carro na estrada e foi a única coisa que me fez sentar e fazer a maior força pra levantar, reclamei de dor até ficar em pé, comecei a andar até a subida que tinha daquele pequeno morro, era tão pequeno que eu não entendo como fez tanto estrago. Fui subindo apoiada por uma das minhas mãos, e quando finalmente cheguei lá em cima tive que praticamente me jogar de bruços para conseguir subir o resto, me joguei deitada na calçada quando notei que não tinha carro nenhum vindo, em minha frente tinha uma enorme rocha que formava uma montana para o final daquela rua, fiquei olhando pro céu, queria apenas que tudo mudasse. Um barulho de carro me chamou a atenção e eu olhei para atrás olhando para uma mulher que veio rapidamente na minha direção, e um menino que aparentava ser um pouco mais velho que eu. Suspirei alto e agradeci a Deus por isso.

- Você está bem? -a mesma fechou os olhos quando viu a pergunta que ela tinha feito- Desculpa, você está com muitos ferimentos.
- Obvio que sim, ela está sangrando na cabeça. -o garoto disso rápido.
- Tem mais alguém lá embaixo? -assenti balançando a cabeça enquanto as lágrimas escorriam pelo meu rosto-
- Obrigado. -saiu tão falhado que não sabia se eles tinham escutado.
- Liga para a ambulância Allan. -o garoto levantou e começou a mexer no celular enquanto a mulher tentou mexer no meu ombro- Ainda bem que eu estava passando aqui, e o meu filho apontou pra você, de longe ele viu o sangue.
- Eu vou morrer? -perguntei para com os meus olhos cheios de lágrimas a dor estava aumentando assim que ela mexia, eu gemi de dor e ela parou, eu senti como se a minha cabeça fosse explodir- Eu vou sim.
- Não, não vai... você vai viver... vai ser uma bela mulher e vai contar a todos que foi uma guerreira. -foram as últimas palavras que eu ouvi antes de fechar meus olhos devagar como se fosse descansar, eles estavam tão pesados.

[…]

         Abri meus olhos com pressa quando senti minhas costas batendo em algo plano, tomei um susto e me sentei foi ai que eu gritei de dor, esqueci do meu ombro, gritei como nunca na minha vida, tinha muitas pessoas ali, eles me olharam com pena e a mulher de antes colocou a mão na boca com pena, as lágrimas voltaram e o meu ombro começou a latejar enquanto eu sentia doer mais ainda. Respirei fundo.

- Cadê a minha mãe? -perguntei olhando pra mulher que estava dentro de uma ambulância comigo.
- Qual é o número dela? -fiquei encarando o nada, eu não sabia o número da minha mãe, ela tinha me dado semana passada, mas eu não guardei porque ia sair com o Richard.
- Eu não sei. -respondi sem manter contato.
- Garota. -um homem me chamou e eu olhei- Você disse que tinha mais alguém lá embaixo.
- Tinha.. -meus olhos voltaram a pesar e eu mau conseguia pensar- Tinha um garoto.
- Não, não tinha... não encontramos ninguém... faça exames nela, veja se ela está bêbada, vamos descobrir de quem é o carro.

[...]

         Ele não foi encontrado, Richard havia sumido, não apareceu mais... uns dias depois foi dado como morto, todos tinham em mente que ele havia morrido, mesmo tudo que ele tinha feito por mim eu ainda sofri por meses. Eu era iludida, havia me apaixonado por ele, o que me fez sofrer mais do que seus próprios parentes que já sabiam como ele era de verdade. Missy foi encontrada morta no meio da rua pela sua irmão mais nova, a maior dor é você encontrar um parente seu sem respirar há muito tempo em frente a sua casa. Fizeram muitas perguntas a mim sobre ela e sobre Richard, eu apenas me fiz de sonsa e não respondi nada, até em psicologo minha mãe me levou, levei anos para por tudo de volta no lugar, o que não havia sido fácil.
- FlashBack Off -


então, quem está postando é a Cams. Mas não. Quem está falando - ou escrevendo, tanto faz - é a Ally. Hoje estou usando-a como escrava. (saiba que eu achei ofensivo/cams) Só que não. #cally <3
Então.. ai que mania de começar com então. Ai quanto então nessa frase. So.. QUE TAMBÉM É ENTÃO. AAAAARGHHHHH. Indo direto ao assunto ou não terminarei hoje, porque eu falo muito. Desculpe a demora. Sei que é o que sempre digo mas.. Perdi a faculdade, meu emprego não está lá grandes coisas, estou com problemas pessoais e estou com bloqueio criativo. TA-DAAAAA !!! O final?? Não se espantem pela semelhança com a escrita da Cams, ela me ajudou - fez - a escrever. Thanks Cams. Bom.. É isso. Espero que vocês não me matem pelo inicio, ou pelo final. Mas.. É isso ai. LUV YOU ALL !!!! Ally Xx
20

20 comentários:

  1. AAAAAAAHHHHHH PFTO!!!!! PRIMEIRA A COMENTAR!!!! hahaha
    CONTINUAAAA, AMORE!!!!!

    ResponderExcluir
  2. 2°a comentar kkkkkk ta muito bomm
    continua o maia rapido possivel

    ResponderExcluir
  3. Que puto -. - ' Enfim continua ou perde a vida também - q não, a faculdade não te merece são um bando de burro Ally liga não...

    ResponderExcluir
  4. Ameeeeeeeeeeeeeeeii perfeitoooooooo !!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Bem legal vocês escrevendo juntas,fica perfect em dose dupla *u*
    Continua por favor,estou mega ansiosa :3

    ResponderExcluir
  6. zayn se foi ?! :O

    ResponderExcluir
  7. Obrigada por postar Camila! E melhoras ai Ally !!
    O Zayn morreu? socorro continua
    /Ana

    ResponderExcluir
  8. Haha #cally AMOOO.. SÉRIO EU AMO #Cally. Meus pêsames pela Faculdade, :(( Vai encontrar uma melhor, bem Ally, tá PERFEITO.. Posso usar a Cams cm escrava tb? Ahh esquece.. Bjos.. AMO VCS
    Xx @camsdiwahoms
    <3

    ResponderExcluir
  9. Meu deus continua, vlh, eu vou falar sério, eu chorei viu, mas nossa como uma fic pode fazer isso comigo?? continua, o Zayn não pode morrer, nossa tenso agora, rsrs
    Continua preciso/necessito de ler a continuação

    ResponderExcluir
  10. Aaah meu Deus o Zain morreu? Não não pode! Continua logo please

    ResponderExcluir
  11. no problam amoree vc postando essa essa fic daHoran tah de boas so quero saber oq aconteceu com o meu Zayn <3 espero q nds, cara q odio desse Richard lazarento eu queroooooooooo o Zaynnnnnn tah muito bom continua please
    by:Duda

    ResponderExcluir
  12. Socorro o Zain morreu? '0' continua logo =D

    ResponderExcluir
  13. Mdsssssss Ally ou Cams né? Ta mt mt bom, chorei com ela esse cap pq sla tadinha dela, + continua pq ta divo :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. as duas. esse capitulo foi como uma.. parceria :p

      Excluir
  14. Então ... Eu tbem tenho mania de começar com então KKKKKKKKKKKKK , bom ta MUITO PERFEITO MEU DEUS VC ESCREVE MTO BEM CARA , ME DÊ DICAS NOSSA! Eu tbem to escrevendo uma fic pra minhas amigas só q eu não posto em blog eu faço no computador e imprimo e dou para minhas amigas lerem e dps elas me devolvem , preciso de dicas de pessoas PROFICIONAIS! Muito legal sua fic.
    CON-TI-NUA pleease!

    ResponderExcluir
  15. Perfeitoo!! O Zayn vai morrer?! Ele ñ pode morrer!COitadinho do Louis ele esta desesperado! Ai aquele Richard da vontade de matar, q raiva dele! Ai posta quando der, mais é q eu preciso do próximo cap!! Vc e a cams escreve muito bem! E boa sorte, com tudo q vc esta passando!

    ResponderExcluir
  16. O Zayn não pode morre se não eu morro junto!OMG e agr Zayn não pode partir não pode,se ele partir dessisto da fic ele era praticamente o motivo de eu le meu badboy não pode morre não mesmo...E boa sorte com tudo que você tá passando vai ficar tudo bem...(voltando a minha crise de loucura pelo Zayn) Ele não pode morre "tendeu"?Motivo de eu le a fic é ele meu Zazza não pôde morre oq vai se de mim (na fic claro...Por que na vida real ele tá bem)...Continuando...Ele é o motivo do meu sorriso nessa fic,se ele morre eu vou na sua casa puxa seu pé~lê eu dando um de fantasma~Ok?Ok né?E continuar logo e pelo amor não deixa eu lindo badboy morre!
    Se eu sou maluca?Sim,eu sou sim !Vou posta esse comentário le denovo o capitulo e se eu de vontade eu posto outra crise!Se minha consciência do bem deixar...E como eu disse eu sou doida!E ninguém vai me impedir de posta outro comentário ou melhor texto pois isso já é um texto...Só minha consciencia do bem...Bjss partiu le de novo :p

    ResponderExcluir