Five Letters - Capitulo 02


                                           " O pior e quando você percebe, que perdeu a si mesma"
                                                                                       - Seunome
                                                      Você.P.O.V
Chuva.
   Esta chovendo mais uma vez lá fora. As gotas cristalinas caiam das nuvens cinzentas, que por sua vez caiam sobre as calçadas, casas, jardins, carros e ruas de Londres. Embaçando as janelas, e as molham, deixando pequenas gostas que vão descendo de vagar, como se fosse uma corrida, para ver quem chega primeiro lá em baixo. Aqui a chuva cai e bate nos cascalhos criando um som agradável de se ouvir, um barulho preguiçoso, aquele barulho que faz você querer ficar na cama para sempre, debaixo dos seus aquecidos edredons. Mas nem sempre podemos fazer o que queremos. Eu por exemplo, nunca nadei em uma piscina de macarrão com almondegas; nunca vi um vampiro; nunca nadei com golfinhos; ou voei em um pônei azul feito de chocolate. e provavelmente nunca vou fazer ou ver nada parecido, não que eu ainda tenha alguma esperança.
  
Mas... por que eu estou relembrando esses fatos horríveis ? 
Eu não sei, seunome.
Talvez esses dias de chuvosos estejam lhe deixando louca.
Provavelmente.
- Sente seunome, Lúcia vai descer em alguns minutos - Disse Mary.
  Mary a fiel secretaria da casa de Lúcia , cabelos negros com alguns fios brancos pela idade - casada e com 2 filhos -, não e tão alta e nem tão baixa, o rosto e pela cor de cobre, sem nenhuma marca, a não ser as linhas de expressão que aparecem quando ela esbanja seu lindo sorriso.
- Quer alguma coisa, querida ? - ela e uma das poucas pessoas que não me odeiam.
- Não, obrigada Mary - disse. E me surpreendi pela minha voz ter saindo mais rouca que o normal. Mary assentiu e sai, e é agora que eu percebo o quanto minha cabeça esta latejando, deve ser por não ter dormido anoite, o grande chute que levei do meu pai não me ajudou muito com minha insônia. ainda me surpreendo por chama-lo de pai. pai. pai. como se eu tivesse uma pai. Puxei da minha velha mochila roxa, um pequeno potinho laranja com 5 últimos comprimidos restantes, isso me lembra que tenho que passar na farmácia. Joguei um comprimido de uma só vez na boca. O quarto dessa manha.
- Seuuuuuuuuuuuuuunomeeeeeeeeee - Escutei um grito fino que aos poucos foi perdendo o tom, olhei para as escadas e Mary descia as mesma berrando :
- Essa menina só saber gritar, que isso, jesus cristo, vou ficar surta, gasguita do caramba - eu ri, enquanto ela entrava no corredor que ia dar direto na cozinha, onde os pais de Lúcia provavelmente deviam esta tomando café. Eu peguei minha mochila, ainda rindo do que Mary disse, corri para as escadas e as subi rapidamente, - conhecia a casa como a palma da minha mão - o chão das escadas eram todos recobertos por um carpete bege, pois quando pequena eu e Lúcia adorávamos rolar por ela - vai entender -, e os pais dela acharam melhor por o carpete para não nos machucamos - não deu certo, mas e a intenção que vale; A porta do quarto de Lúcia, era uma porta. A terceira a esquerda. Uma porta que poderia ser normal se não tivesse o nome dela, escrito bem grande em rosa purpurai com purpurina por cima, se não fosse por ter varias fotos de viagens, cantores e nossas grudadas nela também. Olhei a foto que eu olhava todos os dias : A foto de quando fomos para Itália, como cinco anos, ela estava com os cabelos trançados em duas tranças, sem dois dentes na frente, e com um sorriso enorme, enquanto me abraça, tao forte que eu sentia que estava sendo esmagada, e incrível com eu lembro dessas coisas como se fossem ontem, as melhores coisas da vida tem que ser lembradas; Ao lado da foto, havia uma outra, dentro de um enorme coração vermelho, um menino de olhos azuis, pele clara,e cabelos loiros. sempre me esquecia do nome dele, mas sabia que era de um tal banda por qual ela era fanática, apaixonada, ou algo assim.
- Eai, gasguita do caramba ? - eu ri, enquanto entrava completamente no seu quarto. que estava arrumado graças a Mary.
- Quem me deu esse apelido ? - ela abaixou o livro para me olhar.
- Mary - ri - Você sabe que o livro esta de cabeça para abaixo, ne ?! - apontei para o livro. e logo reconheci a capa, 'os romances de william', o livro que tínhamos que ler para a aula de Literatura.
- Não - ela disse devagar, olhando para conferir - Acho que aprendi isso com o Louis.
- E. você aprende muitas coisas com ele - eu observei. Me sentei na cama, ela me encarando jogando o livro para o lado, e cruzando as pernas.
- O que aconteceu ? -
- Nada. - engoli o seco. pouparia ela do fato que aconteceu noite passada. ninguém precisava saber dos meu problemas, e Lúcia já e cheia dos meus que ela descobre sozinha, por que segundo ela " você e um livro aberto para mim." - Eu só não tenho a mínima vontade de sair da cama, sabe eu não vejo nenhum motivo para isso. - dei os ombros
- Nossa.. obrigada pela parte que me toca - ela colocou as mãos no peito e fez uma cara dramática se jogando para trás. - Se eu adivinhar o problema, você me conta ?!-
- Não. Por que não há nenhum problema. - eu joguei um almofada nela. um almofada em forma de biscoito.
- O.k.- ela se levantou da cama em um pulo - Enquanto você tenta me enganar , vou calçar meus tênis - Viu ? livro aberto...
   Ela foi para o closset. eu olhei ao redor, a chuva la fora estava quase no fim, apenas um pequena sereno batia agora nos cascalhos, olhei para o computador branco em cima da escrivaninha, a tela estava rosa com varias bolhas de sabão dançando na mesma. Gosto de chamar de dança. Ouvi o barulho dos tênis contra o piso e olhei para Lúcia que amarrava os cabelos negros em um rabo de cavalo. Lúcia sempre foi a animada, fofa, e bonita de nos duas. ela e a fofa, animada, popular, e bonita. Seus cabelos negros caiam perfeitamente ate metade de suas costas, sua pele e clara,e os olhos verdes, os mais verdes que eu já vi em toda minha vida. e eu ? bem... eu me definiria, como ' um grande defeito de fabrica' mas acho que isso soa deprimente demais, ate para mim.
- Eu li esse livro, mas não entendi nada - ela disse o pegando e jogando de qualquer jeito dentro da bolsa-
- Talvez, por que você tenha lindo de cabeça para baixo - eu balancei as mãos.
- E faz sentido - ela deu os ombros -
- Que seja. Vamos - me levantei
- Calma. esta tão apresada para ir para escola por que ? não e você que sempre foge dela.
- Não e pressa. e só que se não achegamos no horário, ficamos depois da aula, e se eu não aguento ficar lá 5 horas, que dirar 8. -
- E bom ter você para me lembrar de coisas tediosas - ela suspirou indo para porta
- Você que escolheu estudar lá! - protestei
- Só por que o gatinho do Marcel Snow ia - ela resmungou enquanto descia as escadas.
- E eu achando que era por que você me amava, e não podia viver sem mim - eu ri sem humor.
- Isso também - ela riu. Pegamos nossas capas de chuva nos cabide, Mary veio correndo nos entregar as chaves do carro que Lúcia ia esquecendo.
- Valeu - disse Lúcia - E... obrigada pelo novo apelidinho - ela piscou para Mary que me olhou com os olhos cerrados, eu ri.
- Fofoqueira - ela resmungou, eu a dei língua, rindo. Pelo menos minha vida não estava tão prendida assim. Acho. Saímos, Lúcia na minha frente e eu trás ajeitando o capuz da minha capa. Caminhamos ate o carro que não estava muito longe, entramos rapidamente, com certeza hoje esta mais frio do que os outros dias, então quanto mais rápido entramos no carro, mas rápido estaremos no conforto e rodeadas pelo ar quente do aquecedor.
- Eu tinha que te contar alguma coisa, mais eu esqueci - Lúcia disse assim que sentamos nos bancos confortáveis do carro.
- Tudo bem, depois você lembra - eu sorri de lado enquanto colocava o cinto. Tinha uma leve suspeita do que ela iria me contar, seria sobre algo relacionado aos os meninos da tal banda, os outros que fazem parte da mesmo banda que o menino da foto. Eu não me interessava muito, e nem me importava muito, eles não me conhecem e eu não os conheço, por que eu iria querer saber algo sobre a vida deles ? ou me importar com eles ?
   A caminho da escola, eu expliquei a ela a historia do livro. e ela finalmente entendeu por que Maria foi morta, e Jorge acaba se casando com Polly. Foi difícil ,mas consegui por isso em sua cabeça. Mas na maior parte do tempo, falamos sobre tudo.Eramos do tipo que que falávamos sobre todos os assuntos possíveis, não importa qual fosse. Desde de assuntos pessoais a coisas que só a nassa devia falar. De filmes e lendas de terror a filmes de romance agua com açúcar. Era fácil conversa com ela, não e uma coisa forçada e sim natural, surgi sem querer e só flui, tomando vários rumos diferentes. e fácil. como eu queria que fosse assim com outras pessoas, mas elas me odeiam, então... da minha parte, acho que as odeio também.
- Eu lembrei - Lúcia berrou de uma vez, me causando um pequeno susto, ela levantou as mãos, e me olhou, eu arregalei os olhos e só consegui grita :
- O Volante - me joguei em sua frente, tentando pega-lo e fazer o carro voltar ao controle, ela me ajudou, pisando no freio, fazendo o carro feia de uma só vez, me bati no radio do carro, soltando um grito, bati o mesmo lugar onde ele havia me chutando na noite passado, mordi os lábios para não chorar, mas a dor era imensa. Respirei fundo e me sentei no banco novamente, arrumei meu cabelo que estava mais do que bagunçados, olhei para Lúcia que arfava e olhava para frente apavorada. - Esta tentando nos matar ? - eu gritei
- Definitivamente não - ela murmurou.
- Você e completamente louca - Berrei
- Me desculpa -
- Tudo bem. Tivemos sorte - respirei fundo mais uma vez - Eu acho que não quero mais andar de carro com você - ela riu.
- E quem e que vai me salvar da próxima vez ?!-
- Reze para não ter uma próxima vez!- eu ri - Achei que íamos morrer-
- Eu também - ela suspirou e passou a mão nos cabelos - Mas não morremos. e eu tenho uma novidade- ela sorriu, tentando ao máximos esquecer o que acabou de acontecer, obviamente.
- Uma novidade que case custou nossa vida - murmurei para mim mesma, mas tenho certeza que ela ouviu. suspirei - Então.. o que e ? -
- Bem, eu tenho um sonho -
- O que ? agora você e Martin Luther King ? - eu ri a interrompendo. ela revirou os olhos e continuou :
- Enfim, para adiantar as coisas - por favor.- eu vou ao show da 1D e você vai junto - ela sorriu largamente, e eu arqueei as sobrancelhas.
- show ? pessoas ? 1D ? Eu ?. Em que universo você vive ? - primeiro, eu odeio barulho = show. tenho panico de ficar rodeada por muitas pessoas = pessoas. eu não gosto da banda = 1D. eu sou uma termenda anti-social = eu. então o que, e por que eu irria ou quereria ir a esse show ?
- Eu sei, eu sei, eu sei que você odeia isso. mas você e normal , tipo não gosta deles, e você não vai tentar pular no pescoço deles, ou algo parecido, e eu não vou conseguir,vou travar, vou gaguejar, e você vai me ajudar, por favor, eu faço o que você quiser, eu faço mesmo. - ela disse mais rápido e alto do que de costume, fazendo biquinho e juntando as mãos ao peito, eu balancei a cabeça enquanto a encarava.
- Eu não sei. eu não quero ir. você vai se sair bem sem mim -
- Não, não vou, vamos, você tem que ir. meu pai já comprou os ingressos ! -
- E como você acha que vai me convencer a ir a esse show ?! -
- Eu te dou 100 dólares -
- Fechado - eu sorri
- Você acabou de se vender por dinheiro ! -
- Não. dinheiro que vai virar sorvetes, chocolates e tampões de ouvido - ela riu, ligando o carro e partindo finalmente . Ok, vou ser sincera comigo mesma, vou tentar me matar ate o dia desse show se não der certo, tenho os tampões. Não que eles cantem mal e só..... eu não quero ir, não quero, não quero. Mas como sempre, nada e como eu esperava , ou como eu quero. mas por outro lado, vou ficar fora de casa, talvez por uma noite, eu não leva uma surra deles. oh, meu deus, como minha inútil vida e deprimente.
- Seunome, hey - eu senti alguem me sacudindo, e me assustei, olhei em volta, e já estávamos estacionalmente, Lúcia me olhava com um cara seria. eu devo ter perdido algo
- Oi ?! - eu disse arqueando as sobrancelhas,.
- Você foi transportada para outro mundo em ?! -
- Sim, ele se chama Laddyland, e la ninguém me odeia, e não existe escolas - eu sorri falso-
- Ok. você esta pronta ?!-
- Eu nunca estou pronta. - resmunguei olhando para minhas próprias mãos. eu só não consigo entender.
- Eu vou esta lá, como você -
- Eu sei - a olhei - vamos logo, acabar com isso - abri a porta, peguei a bolsa, ela sorriu para mim, com todos os dias, eu retribui com um sorriso de lado. mas um no já estava se formando em meu estomago, minhas pernas tremiam, e algo me dissia que o meu dia estava preste a acabar.
[....]

Eu estava tentando presta atenção na aula de historia, mas era meio impossível, já que de cada 5 a 5 segundos jogavam uma bolinha de papel em mim, já devia esta acostumada, faziam isso sempre, mas e incrível como nunca conseguimos ignorar esses insultos, brigadeiras, essas coisas, por mais que eu tente fingir que nada esta acontecendo, meus olhos se enchem de lagrimas e eu tenho que respirar fundo para não as deixar cair.
   Mais uma bolinha voou na minha mesa, mas nela estava escrito alguma coisa, como minha curiosidade vai alem do medo - só igual aquelas pessoas de filme de terro, sempre caminho para o mostro, envés de apenas correr - Abri o papel e nele estava escrito:

" Você não tem vergonha não garota ?, como e feia, idiota. agora vai, vai lá chorar "
 
  Eu amacei o papel novamente.O que há de errado comigo ?,meu coração esta acelerado, e um no esta preso na minha garganta, meu coração bate tao forte que machucava o meu peito, a vontade de chorar era inevitável, era só uma frase boba , não e ?, por que me machuca tanto ? por que isso me afeta tanto ? são pessoas idiotas, não posso derramar lagrimas por eles ,se eu fizer isso, sei que sou mais fraca do que imagine.... então e isso... eu sou fraca.

- Professor - eu disse com a voz tremula - Posso ir ao banheiro ?-

- Claro - ele disse, voltando a sua atenção ao quadro, eu me levantei e tentei andar com calma ate a porta, todos me olhavam, uns riram e outros cochivao falando de mim, eu abri a porta, e sai em seguida, dando de cara com o corredor vaziou. a primeira lagrima saltou dos meus olhos, eu corri ate a porta de madeira clara que eu conhecia muito bem, era o armário do zelador, o abri e me joguei la dentro, coloquei a mão na boca, pois o que eu mais queria era gritar, deslizei pela porta, me sentando no chão, abracei minhas pernas e mordi as mesma, para que ninguém ouvisse os meus soluços e gritos.
   O que há de errado comigo para eles me jugam tanto ?, por que eles me odeiam ? eu nunca fiz nada para eles ? eu nunca nem falei com eles ! só por que eu não sou prefeita ? eu não queria ser assim ! nem mesmo pedi para nascer, eu só não queria que fossem tao cruéis comigo, quase todo dia eu me encontro aqui, nessa mesma situação, ate quando eu vou ter que me esconder?, por medo?, ou simples mente para chorar sem ninguém ver?, eles não sabem, nunca vão saber, ninguém entende, mas também ninguém precisa saber, eu só queria que me deixasse em paz, eu só queria sorri de novo, eu não quero sofre tanto, não sei o que eles pensam de mim, nem o que falam quando estão entre si, mas eu queria que eles parasse... isso doí tanto, parece que há uma ferida no seu coração que cada vez sanga mais, e nem chorar, berrar, gritar cura isso, nada, eu estou vazia, não me importaria em morrer agora.
    Eu só consigo me sentir estupida, estou dentro do armário do zelador, chorando por que alguem idiota me chingou, Por que isso me afeta tanto?, eu não devia sei la, levantar a cabeça e seguir em frente e esquecer ?!, mas eu simples mente não consigo, como se algo simples mente me puxasse para escuridão e a escuridão acabei me tornando
  Eu odeio chorar, odeio sentir essa coisa quente quente deslizar pelo meu rosto, me sinto tao inútil, e por que estou chorando?, chorar nunca resolve nada, nunca sessa minha dor, e muito menos o meu vazio, mas mesmo assim as lagrimas insistem em sair dos meus olhos.
  Vasculhei o bolso da minha calça jeans surrada, procurando pelo pequeno objeto prateado, o achei e o puxei de uma só vez do meu bolso, com a maga da minha camiseta sequei meu rosto, me levantei do chão - Ainda com as pernas tremulas - Peguei um papel higiênico, que estava encima da terceira pratilheira, perto dos produtos de limpeza e panos práticos.
   Voltei a me sentar no mesmo lugar em que eu estava, tirei uma boa parte de papel do rolo, forrando o chão, minhas mão tremiam, mas devia só a adrenalina em meu sangue; Peguei a pequena coisa metálica - minha segunda melhor amiga- sem nem mesmo precisar pensar duas vezes , eu passei a lamina 5 vezes pela minha pele - a senssao foi a mesma de sempre, mas tive a impressão de que dessa vez a sençao foi melhor; Deixei meu braço sangra em cima do papel ate ele secar , limpei meu braço rapidamente e puxei a manga da minha blusa, tampando as cicatrizes recém feitas, e no mesmo instante ouvi o sinal tocar.
   Logo o corredor vazio, se encheu de vozes e passos, me encolhi abraçando minhas pernas e fechando fortemente meus olhos, me dando de cara com a pura escuridão, não queria pensar em nada nem chorar, ou me fazer perguntas idiotas , só queria que minha respiração voltasse ao normal, minhas mãos parassem de tremer,e que minha cabeça parasse de lanteja.

Escutei de repente uma batida franca na porta, e logo uma voz familiar dizer :

- Esta tudo bem ?-
- Como você sabe que eu estou aqui ? - Eu murmurei depois de um tempo
- Foi só um palpite - não sei se foi impresao, mas pude ouvi-la sorri - Agora, vamos, sai dai -
- Não consigo -
- E claro, que consegue - ela disse - Sabe por que ? -
- Por que ?-
- Por que, você e uma ótima amiga e não vai deixar que me taxem de louca por esta falando com a porta -
- Você quase fez uma velhinha ter uma ataque com seus berros, já esta acostumada a ser taxa de louca - rebati.Longa historia
- Talvez - ela riu - Mas.. eu quero passar o intervalo com você, temos que planejar as coisas para o show.
- Eu.... eu... eu só não consigo ir agora - eu disse
- Eu sei que consegue - ela disse
- Sinto muito Lúcia - abaixei a cabeça e encarei os meus tênis all star, sabia que agora eu tinha acabado de decepcionar minha melhor amiga, pelos meus motivos bobos, eu só não tinha coragem de olhar todas aquelas pessoas, ver elas rindo e cochichando sobre mim.... era muito mais difícil do que realmente parece. Fechei meus olhos novamente Lúcia devia ter indo ao banheiro ou ter indo comprado seu lanche, como sempre fazia....

Mas..depois de um longo tempo escutei uma forte batida na porta. Um forte murro na porta
- Agora já chega - Lúcia rosnou, e eu ouvi ela saindo de perto da porta, indo ao lado contrario do que sempre ia.
  Me levantei em confusão, sem entender o que " agora já chega" significava, abri a porta e olhei para todos os lados atrás dela, mas para minha nem tao surpresa ela não estava em canto algum, fechei a porta atrás de mim, e escutei varias pessoas gritando " Briga,Briga,Briga", meu estomago embrulhou, eu corri pelos corredores cinzentos que agora já não tinha tantas pessoas quanto no começo, e eu definitivamente não podia esta acontecendo o que minha cabeça louca estava imaginando....
 
                                                    
                                                                ****
  

   Oi, tudo bem com vocês ?
Eu fiquei muito feliz por vocês terem gostado do primeiro capitulo de Five Letters. E acho que vocês vão achar estranho a forma com que ela pensa e tal, mas eu resolvi não deixar o imagine tão "mecânico" , e como se fosse pensamentos de uma pessoa verdadeira, não de uma atriz de filme, ou de uma personagem de livros, o.k ? o.k...
 E isso, esse não e um dos melhores capitulo, esta um bosta, mas tudo bem.. espero que goste.
 Beijos <3



  
19

19 comentários:

  1. Não entendo o porque das fanfics sempre acabarem no melhor capítulo!! Também não entendo o porque das autoras sempre falarem que o capítulo ficou uma porcaria. Sério, o capítulo ficou perfeito!! Estou me sentindo triste por todas as coisas que acontecem comigo nessa fic, mas parece que de alguma forma, esse sofrimento só deixa a história mais perfeita do que ela já é.
    Preciso de uma continuação já! Quero saber o que a Lúcia está aprontando, mesmo que eu já saiba que ela está metendo a porrada em alguém kkk
    ps: PRIMEIRA!! (eu acho)

    ResponderExcluir
  2. Cara esse cap, esta perfeito, sério, vc me fez chorar até kkk
    Sabe eu me indentifico um pouco cm a fic, na parte de nn chorar na frente de ninguem, é como se eu me sentisse exposta sabe? Fraca e eu ODEIO parecer fraca ou coitadinha, entao eu me escondo e choro ou finjo q nn me importo, eu escondo meus sentimentos para eu parecer ser forte e sem sentimento, quando na verdade eu sou sentimental e fraca, mas ninguém precisa saber disso certo? Afinal, os outros nn ligam para o q vc sente, entao é melhor sorrir e ser a sem sintemento certo??
    Bom, continua logo pf, ficou mt perfeito e virou uma das fics favoritas ><
    Bjss liamda
    Xoxo Biah.F

    ResponderExcluir
  3. Continua por favor. eu me indentifiquei bastante com essa fanfic. ela è simplismente perfeita! Estou amando e divulgando rsrs. Continua por favor!!!
    XxLetícia Silva

    ResponderExcluir
  4. meu deus que perfeita faz tempo que venho procurando uma fic assim continua logo <3

    ResponderExcluir
  5. Meu Deus muito perfeita essa fic, sou leitora nova aqui no blog e estou amandoooo!!!!! Continua pfvr

    ResponderExcluir
  6. continua, uma pergunta? e as fotos dos personagens? não tem? tipo, fotos deles? para agente saber quem é quem,e o jeito e taals...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu resolvi não faze, para que você tenha uma ideia própria de quem são, para você cria-los, imagine do jeito que quiser. por que na minha imaginação eu nunca vou conseguir achar uma foto de quem poderia ser a Seunome.

      Excluir
  7. visitem o meu blog; http://one-direction-imaginees.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Nossa mano ,me identifiquei demais nessa fic , nossa cara , eu acho que nunca li uma fic q me tocasse tanto
    Muita Perfeição !!!!
    Parabens ta muito lindo !!!!
    To muito curiosa com a continuação
    Bjoo
    Xx Natii s2

    ResponderExcluir
  9. Cara eu fiquei confusa ela é feia?Duente? Pq todos julgam ela?ou eusei lah haha, mas ficou muito perfect, amei , eh algo diferente daquela coisa q sempre a mocinha eh a mais linda e eh directioner, gosteei, continuaaa please bjão
    by:Duda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Precisa ser feia, ou doente para ser julgada ? a sociedade e algo bem curioso ;)

      Excluir
  10. Perfeito, choreeeeei :'(

    ResponderExcluir
  11. Perfeito, choreeeeei :'(

    ResponderExcluir
  12. oi fofa, queria elogiar sua fanfic. Os capítulos estão ficando muitos bons, parabéns. Mas eu tenho uma pequena crítica, é o seguinte: você tem alguns erros de português que acaba deixando a fanfic confusa. Como por exemplo, você esquece de acentuar o 'e' e tem algumas palavras e frases sem coerência. Uma dica: Antes de postar a fanfic, leia antes para ver se estar tudo ok. Eu também escrevo fanfic, e sei que às vezes não enxergamos o erro, mas fora tudo isso, eu estou amando a fanfic

    ResponderExcluir
  13. estou amando vc ta de parabens vc escreve muito bem tipo me identifico com ela ate pq eu passo essa msm situacao na minha escola continua ta perfect anciosa para o proximo cap e divulga pra mim imaginescomliamlouisharryniallzain.blogspot.com/?m=1
    bjss linda

    ResponderExcluir
  14. Eu estou completamente apaixonada por essa fanfic. To amando, eu mim identifiquei muito com ela... Continua >.<

    ResponderExcluir
  15. Mais uma vez se enspirou em mim para escrever este capitulo? Eu sofro bullyng na escola e ....eu vou para o banheiro quando isso acontece, ainda não sei como a minha Lamina esta intacta,minha minha coisa maligna que só me traz dor...mas como você sitou na fic eu odeio chorar,e minha Lucia é a minha amiga Isabela e a Maria Eduarda elas estão sempre ali dizendo para eu parar mais é tão..sei lá,você só pode faz isso ou conecer alguem que faça para detalhar isso tão bem...e o lance da blusa é verdadde tipo quem se corta sempre SEMPRE vai estar de blusa mesmo se estiver com calor,as marcas doem so de olhar não doem a pele doem seu peito e doem o coração de deus tamben mas oque nos os fracos podemos fazer é maior que nós mesmos,eu quero parar mais como? Ahh bem isso não é problema seu eu so queria sua opinião mas eu sei que você siquer lê meu comentario! mas eu vou ficar bem até o meu ultimo dia acho que um sorriso brotara em meus labios,você escrve muito bem só alguns erros de grámatica mas é normal! Obrigada "o problema" conecida como Nayara (Hanna)

    ResponderExcluir
  16. odiei cade os personagens, vcs sempre fogem da realidade tem sempre muito drama

    ResponderExcluir
  17. Yasmin Evanovick17/04/2014 22:16

    Ficou perfeito, sei que estou comentando suuuper atrasada, afinal sou nova aqui...
    Mas realmente 'tô gostando mt do imagine, talvez seja por mostrar uma realidade completamente diferente da minha, ou talvez pq me tire um pouco do mundo e seja como se eu vivesse a vida de outra pessoa... Não sei, só sei que tô amando a fic

    ResponderExcluir